Inova Mais

Twitter vê salto em pedidos para remover conteúdo de jornalistas

Reuters
Reuters
Twitter vê salto em pedidos para remover conteúdo de jornalistas
Ícone do aplicativo Twitter em smartphone

14 de julho de 2021 - 16:59 - Atualizado em 14 de julho de 2021 - 17:01

Por Sheila Dang e Elizabeth Culliford

(Reuters) – O Twitter viu um aumento nas demandas no ano passado de governos ao redor do mundo para retirar o conteúdo publicado por jornalistas e veículos de notícias, em dados a serem divulgados pela plataforma de mídia social pela primeira vez.

Em seu relatório de transparência a ser publicado nesta quarta-feira e visto pela Reuters, o Twitter diz que contas verificadas de 199 jornalistas e agências de notícias em sua plataforma globalmente estavam sujeitas a 361 demandas legais de governos para remover conteúdo no segundo semestre de 2020, um aumento de 26% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

A empresa se recusou a especificar quais países enviaram as demandas, ou quantas demandas legais relativas a jornalistas ou meios de comunicação a plataforma atendeu.

Os detalhes no relatório surgem à medida que o Twitter e outras empresas de mídia social, incluindo o Facebook e o YouTube, da Alphabet, enfrentam o escrutínio de governos em relação ao conteúdo permitido em suas plataformas.

Na segunda-feira, Cuba começou a restringir o acesso ao Facebook e aplicativos de mensagens como o Telegram em meio a protestos antigovernamentais generalizados. No mês passado, a Nigéria baniu o Twitter no país e ordenou que estações de rádio e televisão não usem a plataforma para coletar informações.

O Twitter disse no relatório que a Índia é agora a maior fonte das solicitações de informações de governos, superando os Estados Unidos, que ficaram em segundo lugar.

A empresa disse que recebeu mais de 14.500 pedidos de informações entre 1º de julho e 31 de dezembro, e produziu algumas ou todas as informações em resposta a 30% delas.

O Twitter também recebeu mais de 38,5 mil demandas judiciais para retirada de conteúdo, uma queda de 9% em relação ao primeiro semestre, e disse que atendeu a 29% das demandas.

O Twitter se envolveu em vários conflitos com países ao redor do mundo, principalmente a Índia, sobre as novas regras do governo que visam regular o conteúdo nas redes sociais.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6D18B-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.