Tecnologia

Senadora dos EUA pede divisão da Amazon, varejistas da Índia querem investigação

Reuters
Reuters
Senadora dos EUA pede divisão da Amazon, varejistas da Índia querem investigação
Depósito da Amazon em Mumbai, Índia

15 de outubro de 2021 - 17:55 - Atualizado em 15 de outubro de 2021 - 17:55

Por Aditya Kalra e Steve Stecklow

NOVA DÉLHI (Reuters) – A senadora norte-americana Elizabeth Warren defendeu nesta sexta-feira a divisão da Amazon.com e várias empresas e varejistas da Índia cobraram que o governo lance uma investigação sobre a companhia depois de reportagem da Reuters que mostrou que a empresa copiou produtos e manipulou resultados de busca no país.

A reportagem da Reuters, que analisou milhares de documentos internos da Amazon, revelou que a companhia norte-americana promoveu uma campanha sistemática para criar imitações de produtos e manipulou resultados de busca para favorecer suas próprias marcas na Índia, um dos maiores mercados da empresa.

A reportagem mostrou que, pelo menos na Índia, a manipulação de resultados de busca em favor dos produtos da Amazon, bem como a cópia de produtos de outros varejistas foram parte de uma estratégia formal da empresa e que pelo menos dois altos executivos da companhia tinham conhecimento dela.

A reportagem gerou críticas contra a Amazon por parte dos dois partidos no Congresso dos Estados Unidos.

A senadora Warren, crítica de longa data da Amazon, afirmou que “os documentos mostram o que nós temíamos sobre o poder de monopólio da Amazon: que a companhia propositadamente manipulou sua plataforma para beneficiar seu lucro, enquanto prejudicou pequenas empresas e empreendedores”.

“Esta é uma de muitas razões pelas quais precisamos dividir a empresa”, disse a senadora.

Warren, uma destacada integrante do partido Democrata, defendeu a divisão da Amazon e de outras grandes empresas de tecnologia em 2019, quando ela disputava a Presidência dos EUA. Desde então, como senadora, ele segue pressionando empresas como a Amazon.

Ken Buck, um republicano da Câmara dos Deputados dos EUA e membro da subcomissão de defesa da concorrência, também compartilhou a reportagem da Reuters. “Estes documentos provam que a Amazon está engajada em práticas anticompetitivas como manipulação de resultados de busca e promoção de comportamento que favorece seus produtos sobre os de concorrentes.”

“Mais preocupante, isso contradiz o que Jeff Bezos disse ao Congresso”, afirmou o deputado. “Amazon e Bezos precisam ser responsabilizados.”

Procurada, a Amazon afirmou em comunicado que “as alegações são incorretas e não têm base”.

“Nós mostramos resultados de busca baseados em relevância para os consumidores, independentemente de se tais produtos sejam de marcas privadas oferecidas por vendedores ou não.”

A Amazon afirmou ainda que “proíbe estritamente o uso ou compartilhamento de dados não públicos dos vendedores com eles, incluindo com vendedores de marcas privadas” e que investiga relatos de funcionários que atuem de forma contrária a esta política.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9E130-BASEIMAGE