Inova Mais

Reguladores financeiros precisam urgentemente lidar com “Big Techs”, diz BIS

Reuters
Reuters
Reguladores financeiros precisam urgentemente lidar com “Big Techs”, diz BIS
Ícones de aplicativos de Google, Amazon, Facebook, Apple e Netflix em celular

2 de agosto de 2021 - 16:51 - Atualizado em 2 de agosto de 2021 - 16:55

Por Marc Jones

LONDRES (Reuters) – Bancos centrais e reguladores financeiros precisam urgentemente lidar com a crescente influência das grandes empresas de tecnologia, de acordo com autoridades do Banco de Compensações Internacionais (BIS), organização que coordena e auxilia bancos centrais.

Entidades fiscalizadoras mundiais estão cada vez mais preocupadas de que a enorme quantidade de dados controlada por grupos como Facebook, Google, Amazon e Alibaba, possa permitir a essas empresas que reformulem as finanças rapidamente, contribuindo para desestabilizar sistemas bancários por completo.

Em um artigo liderado pelo chefe do BIS, Agustín Carstens, a organização apontou como exemplo a China, onde duas grandes empresas de tecnologia de pagamento agora respondem por 94% do mercado de pagamentos online.

Em muitas outras jurisdições, empresas de tecnologia também estão rapidamente ocupando território, com algumas inclusive emprestando dinheiro para pessoas físicas e pequenas empresas, além de oferecerem serviços de seguros e gestão de patrimônio.

“A entrada de gigantes de tecnologias em serviços financeiros dá origem a novos desafios em torno da concentração de poder de mercado e governança de dados”, disse o estudo do BIS publicado nesta segunda-feira.

Há espaço para “regras específicas baseadas em entidades”, notávelmente na União Europeia, China e Estados Unidos, acrescentou.

“Qualquer impacto sobre a integridade do sistema monetário decorrente do surgimento de plataformas dominantes deve ser uma preocupação fundamental para o banco central.”

Stablecoins – criptomoedas atreladas às moedas existentes – e outras iniciativas de Big Techs podem ser “uma virada de jogo” para o sistema monetário, acrescentou o artigo, caso essa entrada leve a sistemas de circuito fechado reforçados por efeitos de rede de dados extraídos de mídias sociais ou plataformas de comércio eletrônico.

Isso poderia levar a uma fragmentação das infraestruturas de pagamento em detrimento do bem público. “Dado o potencial para mudanças rápidas, a ausência de plataformas dominantes atualmente não deve ser uma fonte de conforto para os bancos centrais”, disse o artigo.

“Bancos centrais e reguladores financeiros devem investir com urgência no monitoramento e na compreensão desses desenvolvimentos”, acrescentou. “Desta forma, eles podem estar preparados para agir rapidamente quando necessário.”

(Por Marc Jones)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7113M-BASEIMAGE