Inova Mais

Juíza alerta Assange que será retirado de audiências de extradição se repetir interrupções

Reuters
Reuters
Juíza alerta Assange que será retirado de audiências de extradição se repetir interrupções
Fundador do WikiLeaks, Julian Assange, deixa tribunal em Londres

8 de setembro de 2020 - 11:59 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 06:54

Por Andrew MacAskill

LONDRES (Reuters) – Julian Assange, o fundador do WikiLeaks que está lutando para evitar uma extradição do Reino Unido aos Estados Unidos, foi alertado por uma juíza nesta terça-feira que será retirado da sala do tribunal e julgado sem estar presente se continuar interrompendo os procedimentos.

As autoridades norte-americanas acusam o australiano, de 49 anos, de conspirar para invadir computadores do governo e de violar uma lei de espionagem devido à divulgação de mensagens confidenciais pelo WikiLeaks em 2010 e 2011.

Assange gritou “tolice” quando James Lewis, um advogado do governo dos EUA, disse a uma testemunha que o fundador do WikiLeaks está sujeito a procedimentos de extradição por causa da publicação dos nomes de informantes, e não por lidar com documentos vazados.

A juíza Vanessa Baraitser disse a Assange que ele não deveria se pronunciar, embora vá ouvir coisas com as quais discordará e que desejará refutar.

“Se você interromper os procedimentos e atrapalhar uma testemunha que está dando seu depoimento devidamente, está aberto a mim continuar sem você em sua ausência”, disse Baraitser.

“Isto, obviamente, não é algo que desejo fazer. Estou, portando, lhe dando um aviso claro”, acrescentou.

Foi a segunda ocasião em que Assange compareceu à corte desde que suas audiências de extradição recomeçaram, na segunda-feira. Elas tiveram início em fevereiro, mas foram adiadas durante alguns meses e em seguida foram prorrogadas ainda mais por causa do isolamento nacional imposto para conter a disseminação da Covid-19.

Assange e o WikiLeaks enfureceram o governo dos EUA uma década atrás ao publicarem milhares de documentos norte-americanos secretos. Os apoiadores do ativista o veem como um baluarte da liberdade de expressão que expõe os abusos de poder e a hipocrisia de Washington.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG871AQ-BASEIMAGE