Inova Mais

Inventor da web Berners-Lee diz que a “moda” dos gigantes da internet passará

Reuters
Reuters
Inventor da web Berners-Lee diz que a “moda” dos gigantes da internet passará
Tim Berners-Lee fala durante entrevista em Londres

12 de março de 2021 - 11:57 - Atualizado em 12 de março de 2021 - 12:01

LONDRES (Reuters) – Tim Berners-Lee, o inventor da World Wide Web, disse que o domínio dos gigantes da internet é uma “moda passageira” que não precisa durar, acrescentando que uma mudança urgente é necessária para melhorar uma disparidade digital no acesso online dos jovens.

Berners-Lee, que inventou o sistema de navegação na internet conhecido como World Wide Web em 1989, disse que sentiu “um sentimento de inquietação, um sentimento de que precisamos fazer alguma coisa para mudá-las”.

Eventos como uma disputa entre o Facebook e a Austrália, que levou ao bloqueio da rede social de feeds de notícias no país, fez com que muitos cidadãos e governos revissem suas relações com as gigantes da internet e empresas de mídia social.

“Estou otimista, porque vimos alguns modismos dominantes na internet antes … e então as coisas mudam”, disse ele em uma entrevista à Reuters, acrescentando que as pessoas estão resistindo ao uso e abuso de dados pessoais.

“(Há) uma grande consciência de que as coisas precisam mudar.”

Ele disse que uma combinação de política governamental e tecnologia poderia trabalhar em conjunto e ajudar as pessoas a recuperar o controle sobre seus dados e suas vidas online.

Berners-Lee, de 65 anos, está trabalhando em um projeto chamado Solid, em que os dados pessoais das pessoas são controlados pelo usuário, em vez de plataformas como o Facebook.

Mas em uma carta que coincidiu com o 32º aniversário da World Wide Web, ele alertou sobre uma crescente exclusão digital que, segundo ele, pode ameaçar as chances de muitos jovens, com uma em cada três pessoas entre 15 e 24 anos sem acesso a nenhuma internet no mundo.

Ele disse que reconhecer a internet como um direito básico, semelhante a como a eletricidade era vista no século passado, é vital, especialmente em um mundo que é cada vez mais moldado por quem tem acesso à web.

“A única coisa sensata a se pensar é que … as coisas vão acelerar (e) continuar acelerando”, disse ele à Reuters. “Estamos passando por outra mudança radical na velocidade com que o mundo está mudando.”

(Reportagem de Alistair Smout)

((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447764))

REUTERS PAL MPP

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2B12K-BASEIMAGE