Inova Mais

Governo dos EUA pede que juíza permita barrar WeChat das lojas de aplicativos

Reuters
Reuters
Governo dos EUA pede que juíza permita barrar WeChat das lojas de aplicativos
.

25 de setembro de 2020 - 14:24 - Atualizado em 25 de setembro de 2020 - 14:25

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) – O Departamento de Justiça dos EUA pediu a um juiz federal nesta sexta-feira que permita ao governo proibir a Apple e o Google de oferecer o WeChat para download nas lojas de aplicativos dos EUA enquanto se espera um recurso.

O processo pede à juíza Laurel Beeler, de San Francisco, que suspenda liminar de sábado que bloqueou ordem do Departamento de Comércio, que entraria em vigor em 20 de setembro e que também impediria outras transações nos EUA com o WeChat, potencialmente tornando o aplicativo inutilizável nos EUA.

O processo diz que a ordem de Beeler permite o uso contínuo e irrestrito do WeChat, aplicativo que o Poder Executivo classificou como ameaça à segurança nacional.

A Tencent apresentou uma proposta para criar uma nova versão dos EUA do aplicativo, implantar medidas de segurança específicas para proteger o código-fonte do novo aplicativo, fazer parceria com um provedor de nuvem dos EUA para armazenar dados de usuários e gerenciar o novo aplicativo.

Mas a proposta permite que a Tencent siga dona do WeChat e não atenda às preocupações dos EUA sobre a empresa, diz.

A Tencent não quis comentar.

O governo quer uma decisão breve de Beeler, no máximo em 1º de outubro.

O WeChat teve uma média de 19 milhões de usuários ativos diários nos Estados Unidos, disse a empresa de análise Apptopia no início de agosto. É popular entre estudantes chineses, americanos que vivem na China e alguns americanos que têm relacionamentos pessoais ou de negócios na China.

Beeler escreveu “certamente o interesse geral do governo pela segurança nacional é significativo. Mas neste registro – embora o governo tenha estabelecido que as atividades da China levantam preocupações de segurança nacional significativas – ele apresentou escassas evidências de que sua proibição efetiva do WeChat para todos usuários dos EUA tratam dessas preocupações.

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG8O1Q3-BASEIMAGE