Inova Mais

EXCLUSIVO-Reguladores antitruste da UE podem restringir investigação sobre Amazon, dizem fontes

Reuters
Reuters
EXCLUSIVO-Reguladores antitruste da UE podem restringir investigação sobre Amazon, dizem fontes
.

14 de outubro de 2020 - 15:10 - Atualizado em 14 de outubro de 2020 - 15:10

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) – Reguladores antitruste da União Europeia podem estreitar o escopo de sua investigação de um ano sobre a Amazon.com para acelerar o caso contra a gigante do varejo online dos EUA, disseram à Reuters pessoas a par do assunto.

A divisão do caso da Amazon poderia atender às reclamações dos rivais de que os responsáveis pela defesa da concorrência demoram muito para lidar com os danos causados a eles por meio de práticas anticompetitivas e que as decisões não conseguem acompanhar os mercados em evolução.

Os reguladores da UE adotaram uma tática semelhante contra o Google, da Alphabet, primeiro abordando as reclamações sobre seu serviço de comparação de preços e, em seguida, abrindo investigações em outras áreas de seus negócios.

A Comissão Europeia iniciou uma investigação sobre a Amazon em julho de 2019, focando se seu duplo papel como mercado para comerciantes e também como concorrente que vende os mesmos produtos pode lhe dar uma vantagem injusta.

A investigação também analisa o papel dos dados na seleção dos vencedores da “Caixa de Compra” da Amazon, que aparecem à direita das páginas dos produtos dizendo “Compre agora” ou “Adicione à cesta de compras” e geram cerca de 80% das vendas.

Mas o responsável pela concorrência da UE agora considera dividir as duas questões para se concentrar em uma, tornando mais fácil avançar com o caso, disse uma das pessoas à Reuters.

“O caso de dados parece mais fraco”, disse a pessoa, acrescentando que nenhuma decisão final foi tomada sobre dividir o caso, nem em qual ângulo focar primeiro.

A Comissão Europeia não quis comentar.

As fontes disseram também que houve um debate sobre se o caso deve ser examinado sob as regulações antitruste destinadas a combater acordos anticompetitivos como cartéis, ou sob regras para impedir que as empresas abusem de seu poder de mercado.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9D1NS-BASEIMAGE