Inova Mais

Casa Branca chama Facebook de conduíte de desinformações sobre Covid-19

Reuters
Reuters
Casa Branca chama Facebook de conduíte de desinformações sobre Covid-19
Secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, durante entrevista coletiva

15 de julho de 2021 - 18:16

WASHINGTON (Reuters) – O Facebook não está fazendo o bastante para impedir a propagação de informações falsas sobre a Covid-19 e as vacinas, afirmou a secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, nesta quinta-feira, como parte de uma nova ofensiva do governo norte-americano contra a desinformação nos Estados Unidos.

O Facebook, que é proprietário dos aplicativos Instagram e WhatsApp, precisa trabalhar mais para remover informações imprecisas sobre vacinas de sua plataforma, disse Psaki.

Ela disse que 12 pessoas eram responsáveis por quase 65% da desinformação contra as vacinas em plataformas de redes sociais. A descoberta foi reportada pelo Centro Contra o Ódio Digital, mas o Facebook contestou a metodologia do levantamento.

“Todas elas continuam ativas no Facebook”, disse Psaki. O Facebook também “precisa agir mais rapidamente para remover posts prejudiciais violadores”, disse.

O assessor médico da Casa Branca, Vivek Murthy, também alertou para a onda crescente de desinformação sobre as vacinas contra a Covid-19, dizendo que isso está dificultando a luta contra pandemia.

“Vidas americanas estão em risco”, disse Murthy em um comunicado.

Em seu primeiro pronunciamento como principal médico do país no governo do presidente Joe Biden, Murthy pediu que as empresas de tecnologia modifiquem seus algoritmos para promoverem a retirada de informações mentirosas. Ele também recomendou que as empresas compartilhem mais dados com pesquisadores e com o governo para ajudar professores, profissionais de saúde e a imprensa a combater a desinformação.

“A desinformação é uma ameaça séria à saúde pública. Ela pode causar confusão, semear a desconfiança, afetar a saúde das pessoas e prejudicar as iniciativas de saúde pública. Limitar a propagação de desinformação é um imperativo moral e cívico”, disse o médico no comunicado.

(Reportagem de Susan Heavey, Elizabeth Culliford e Diane Bartz; Reportagem adicional de Andrea Shalal, Doyinsola Oladipo, e Doina Chiacu)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6E16J-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.