Inova Mais

Apple diz que se compromete com liberdade de expressão em nova política de direitos humanos

Reuters
Reuters
Apple diz que se compromete com liberdade de expressão em nova política de direitos humanos
(Blank Headline Received)

4 de setembro de 2020 - 13:32 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 06:55

(Reuters) – A Apple disse que está comprometida com a liberdade de expressão e de informação em um documento sobre sua política de direitos humanos, uma medida que segue uma crescente pressão dos acionistas.

A gigante da tecnologia dos Estados Unidos foi criticada por remover aplicativos de sua App Store na China e, em sua assembleia-geral anual de fevereiro, uma proposta dos acionistas solicitou que a Apple se comprometesse publicamente em “respeitar a liberdade de expressão como um direito humano”.

Embora a proposta não tenha sido aprovada, conseguindo 40,6% dos votos – outras semelhantes semelhantes foram apresentadas anteriormente e foi o suficiente para pressionar a empresa a responder, disseram os especialistas.

“Acreditamos na importância crucial de uma sociedade aberta em que as informações fluam livremente e estamos convencidos de que a melhor maneira de continuar a promover essa abertura é permanecer engajados, mesmo quando podemos discordar das leis de um país”, afirma a Apple no documento.

A empresa disse que sua política se baseia nas diretrizes das Organização das Nações Unidas (ONU) sobre negócios e direitos humanos.

Ativistas de direitos humanos também pediram à Apple que corte relações com fornecedores que supostamente usam trabalho forçado de milhares de uigures em fábricas chinesas. A empresa enfrentou, ainda, muitas críticas por remover um aplicativo que ajudou manifestantes de Hong Kong a rastrear movimentos policiais.

A Apple argumentou que o aplicativo estava sendo usado para atingir policiais e vitimar indivíduos e propriedades, violando a lei de Hong Kong.

(Por Aakriti Bhalla em Bengaluru)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG831HV-BASEIMAGE