Economia

Imóvel na planta, em construção ou pronto: qual a melhor opção?

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

19 de abril de 2017 - 00:00 - Atualizado em 19 de abril de 2017 - 00:00

As dúvidas sempre surgem na hora de comprar o primeiro imóvel (Foto: Divulgação)

Antes de qualquer coisa, é necessário ver qual tipo de investimento se encaixa na renda familiar

A saída do aluguel, da casa dos pais ou o casamento à vista são as motivações principais para a compra do primeiro imóvel. Nessa situação, o presidente da VistaCorp Empreendimentos Imobiliários, Luiz Francisco Viana Jr., explica que existem duas alternativas possíveis: a compra de um imóvel na planta ou em construção – que oferece flexibilidade de pagamento, mas exige a espera durante a obra – e a compra de um imóvel pronto, que exige mais capital, porém, a possibilidade de ingresso imediato ao imóvel. “A escolha por uma modalidade ou outra vai depender da reserva financeira, das despesas fixas e da urgência em se mudar do comprador e de sua família”, opina.

Mas como saber qual a opção que melhor se encaixa na renda familiar? Para isso, é necessário conhecer a condição de pagamento de cada modalidade. Viana explica que na opção de compra do imóvel na planta, essa quitação se divide em duas etapas. A primeira é chamada de poupança, que corresponde de 20% a 30% do valor do imóvel, e é paga durante a execução da obra, em torno de 36 meses, e o restante financiado pelo banco.

Via de regra, a poupança contempla: entrada, parcelas mensais, balões semestrais e chaves, além de, eventualmente, a parcela do financiamento (no caso de haver a possibilidade de contratá-lo ainda no período de obras). “Caso o comprador ofereça um valor de entrada maior do que o mínimo exigido pela incorporadora, o cliente pode montar a sua própria tabela de pagamento, que deverá ser aprovada junto à empresa”, comenta Viana.

Quanto à contratação do financiamento, geralmente de 70% a 80% do valor do imóvel, Viana diz que a forma mais usada é apenas com a emissão do Habite-se, como é chamado o Certificado de Vistoria de Conclusão de Obras (CVCO), emitido pela prefeitura. No caso do Barigui Woodland Park Residence, empreendimento da VistaCorp Empreendimentos Imobiliários em parceria com a Valente Incorporações, em fase de conclusão, próximo ao Parque Barigui, em Curitiba, foi contratado o modelo de financiamento antecipado (na fração ideal), que permite que os compradores se candidatem e contratem o crédito imobiliário a partir de 85% das obras realizadas, ou seja, antes da conclusão.

“Assim que as primeiras unidades comecem a ser entregues, os clientes que contrataram o financiamento nesse modelo serão um dos primeiros a receberem o imóvel, o que é uma vantagem”, opina Viana. No caso do imóvel pronto, o presidente da VistaCorp Empreendimentos Imobiliários diz que a regra geral é que esse percentual de poupança seja pago em parcela única. “Há a possibilidade de pagamento parcelado desse valor em curto prazo, porém, a entrega das chaves fica condicionada à quitação do saldo do imóvel”, esclarece.

Além do financiamento, a quitação do saldo do imóvel pode se dar por meio de recursos próprios, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ou de consórcio imobiliário. A Caixa Econômica Federal determina as regras para uso do FGTS na compra da casa própria. Já no caso do consórcio imobiliário, a liberação dos recursos está condicionada à emissão do Habite-se, contemplação da carta e pagamento efetivo do Valor Mínimo de Desligamento (VMD), ou seja, a incorporadora deve quitar antecipadamente o saldo devedor correspondente à unidade adquirida. “Em função dos trâmites, esse processo de quitação com uso de consórcio é mais longo”, comenta Viana.

Pacote de benefícios – Com a redução do tempo para entrega do empreendimento, naturalmente o prazo para quitação da poupança fica menor. Para flexibilizar as condições de pagamento aos que fizerem a aquisição neste momento, amortizando a quantia solicitada ao comprador para a poupança, a VistaCorp lançou uma campanha o Barigui Woodland, que tem 93% das obras executadas e entrega prevista para o segundo semestre desse ano.

A incorporadora curitibana oferece um pacote inédito de benefícios para a aquisição de algumas unidades específicas do empreendimento, entre elas, a isenção das taxas de ITBI da escritura e do registro do imóvel, o que corresponde a uma economia de até R$ 25 mil para os imóveis do empreendimento.

As bonificações incluem ainda um ano de condomínio grátis; cozinha e sala com móveis planejados da Todeschini; assim como um fim de semana num Hotel Fazenda para que o casal comemore a compra; e a própria chancela de adquirir um imóvel num empreendimento eleito como o melhor projeto arquitetônico residencial do Paraná, pela Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR). As condições e prazos de concessão, retirada e uso dos benefícios podem ser conferidos em detalhe no regulamento, disponível no site www.bariguiwoodland.com.br/promocoes, em “Campanha É Mais Barigui Woodland”.

“A ideia de termos escolhido estes cinco benefícios veio dos próprios clientes, em pesquisa recente, e também como alternativa para fugir do senso comum do mercado de desconto puro, uma vez que o empreendimento já possui preço justo e boa percepção de valor agregado pelos clientes, comprovado pelo fato de que 70% das vendas realizadas até agora aconteceram em sua totalidade sem desconto”, complementa Viana.

Leia também:

Qual é o momento certo para compra de imóvel?

Conheça as vantagens de comprar um apartamento no Centro de Curitiba