Brasil

Igrejas vão manter isolamento social para evitar disseminação do novo coronavírus

Lucas
Lucas Sarzi editado por Lucas Sarzi
Igrejas vão manter isolamento social para evitar disseminação do novo coronavírus
Foto: Guilherme Barchik / RIC Mais

28 de março de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:49

As igrejas vão manter o isolamento para diminuir os efeitos da pandemia de coronavírus no Brasil. A decisão foi tomada pelas entidades religiosas, mesmo depois do decreto publicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que incluía as igrejas em necessidades especiais durante o isolamento. O decreto, inclusive, foi suspenso nesta sexta-feira (27), pela Justiça Federal.

Em comunicado em sua página na internet, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) reforçou a recomendação do distanciamento social do Ministério da Saúde para evitar o contágio pelo coronavírus. No texto, assinado pelo bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, recomenda que as igrejas podem permanecer abertas apenas para orações individuais e para a realização das transmissões online das missas. Segundo o documento, “não há como entender que os instrumentos legais possam obrigar a reabertura das igrejas, muito menos para a prática de qualquer tipo de aglomeração”.

O decreto que incluía as igrejas nas atividades essenciais determinava que fossem obedecidas as determinações do Ministério da Saúde. A exemplo de outras atividades, igrejas de diferentes tradições vêm realizando missas e cultos online por meio de mídias sociais, como Facebook e YouTube.

Em sua página no Facebook, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) informou que, apesar do decreto publicado, a orientação é para que as igrejas cristãs “sigam com suas atividades presenciais suspensas”. Segundo o Conic, quem sentir vontade de falar com lideranças religiosas deve comunicar-se com elas pelas redes sociais. As igrejas-membro do Conic orientam que os fiéis sigam à risca as recomendações do Ministério da Saúde e a principal orientação é para que as pessoas fiquem em casa.

A Igreja Universal também divulgou comunicado em sua página na internet reiterando “as medidas adotadas em todos os seus templos, que respeitam as determinações do Ministério da Saúde no combate à propagação do coronavírus”. “Para que se evite a aglomeração de pessoas, nas localidades onde está proibida a realização de cultos em templos religiosos, a Universal está aberta apenas para orações individuais e auxílio espiritual, e observando todas as cautelas sanitárias”, diz o texto.

A igreja orienta os fiéis a assistir aos cultos pela TV, rádio e internet. “Nas localidades onde foi estipulado limite à presença de pessoas em templos religiosos, a Universal segue controlando a entrada de público. Se necessário, amplia-se a quantidade de reuniões para atender a todos que procuram a Igreja”, informa. Segundo o comunicado, a Universal recomenda que as pessoas com mais de 60 anos, que são grupo de risco para a covid-19, permaneçam em casa.