Notícias

Iceberg considerado maior do mundo se desprende na Antártica

São 4.320 quilômetros quadrados (km²) de gelo flutuando no Mar de Weddell, próximo da Antártica 

Pablo
Pablo Mendes com informações da Agencia Brasil, com supervisão de Guilherme Becker
Iceberg considerado maior do mundo se desprende na Antártica
DIVULGAÇÃO/AFP PHOTO /EUROPEAN SPACE AGENCY

20 de maio de 2021 - 10:25 - Atualizado em 20 de maio de 2021 - 10:25

Um iceberg chamado pelos cientistas A-76 desprendeu-se da plataforma de Ronne, na Antártica. Ele é considerado pela Agência Espacial Europeia o maior do mundo. São 4.320 quilômetros quadrados (km²) de gelo a flutuar no Mar de Weddell, perto da Antártica.

O iceberg, com 175 quilômetros de comprimento e 25 de largura, está sendo monitorado via satélite pela Agência Espacial Europeia. As imagens capturadas pelo Copernicus Sentinel-1 mostram a plataforma gigante. 

Segundo o diário britânico The Guardian, os cientistas da US National Snow & Ice Data Center acreditam que as alterações climáticas estão acentuando a desintegração da Antártica. O centro das atenções é a plataforma de gelo Ronne, que se liga ao continente do Polo Sul.

Opinião contrária é a de Ted Scambos, investigador de glaciares na Universidade do Colorado, em Boulder. Citado pela Reuters, Scambos explica que Ronne e outra enorme plataforma de gelo, o Ross, “têm se comportado de maneira estável e quase cíclica” durante o século passado ou mais. Acrescenta que o A-76, provavelmente, acabará por se dividir em dois ou três pedaços, brevemente, e que o fenômeno não está associado às alterações climáticas.

O especialista lembra que, como o gelo já flutuava no mar antes de se deslocar da costa, o rompimento não aumenta o nível do oceano.

No fim de 2020, outro grande iceberg, o A-23A, com 3.380 km², desprendeu-se de Ronne e também flutuou no Mar de Weddell. Acabou por se partir em blocos, evitando o impacto contra uma ilha habitada por pinguins, na América do Sul.

O A-76 foi visto pela primeira vez pelos serviços Britânicos de Vigilância da Antártica e confirmado pelo US National Ice Center, com sede em Maryland.