Notícias

Grupos de direitos humanos pedem investigação Raisi por crimes contra a humanidade

Reuters
Reuters

19 de junho de 2021 - 13:54 - Atualizado em 19 de junho de 2021 - 13:54

PARIS (Reuters) – A Anistia Internacional e o Human Rights Watch afirmaram que a eleição de Ebrahim Raisi como novo presidente do Irã foi um golpe aos direitos humanos e pediram que ele seja investigado pelo seu papel no que Washington e grupos de direitos humanos chamam de execuções extrajudiciais de milhares de prisioneiros políticos em 1988.

O Irã nunca reconheceu as execuções em massa, e Raisi nunca respondeu publicamente às acusações sobre sua participação. Alguns clérigos afirmaram que os julgamentos foram justos, elogiando a “eliminação” de adversários armados nos primeiros anos da revolução islâmica de 1979.

“O fato de Ebrahim Raisi ter chegado à presidência em vez de ser investigado por crimes contra a humanidade, de assassinato, desaparecimentos e tortura, é uma lembrança sombria de que a impunidade reina suprema no Irã”, disse a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard, em um comunicado.

A Human Rights Watch, com sede em Nova York, ecoou esse sentimento.

(Reportagem de John Irish)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.