Notícias

Governo central tem déficit primário de R$9,9 bi em agosto, menor que o esperado

Reuters
Reuters
Governo central tem déficit primário de R$9,9 bi em agosto, menor que o esperado
Notas de 200 reais

28 de setembro de 2021 - 15:05 - Atualizado em 28 de setembro de 2021 - 15:10

BRASÍLIA (Reuters) – O governo central, formado por Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um déficit primário de 9,9 bilhões de reais em agosto, menor do que o estimado pelo mercado, ajudado pela maior arrecadação e recebimento de volume expressivo de dividendos da Petrobras.

Conforme dados divulgados pelo Tesouro nesta terça-feira, os dividendos totais somaram 7,2 bilhões de reais no mês, contra apenas 694,8 milhões de reais em igual mês de 2020. A conta foi impulsionada pelo pagamento de 6,1 bilhões de reais feito pela Petrobras.

Já a arrecadação com impostos recolhidos pela Receita Federal subiu 20% sobre agosto do ano passado, um acréscimo de 15,1 bilhões de reais.

Com isso, o resultado primário do mês veio melhor que a projeção de um déficit de 13,5 bilhões de reais apontada em pesquisa Reuters com analistas. Em agosto do ano passado, sob o impacto das medidas de enfrentamento à pandemia da Covid-19 e da recessão econômica, o governo central registrou um saldo negativo de 96,1 bilhões de reais.

No acumulado de janeiro a agosto, o rombo nas contas públicas foi de 83,3 bilhões de reais, contra 601,3 bilhões de reais em igual período de 2020, num dado que, segundo o Tesouro, aponta que o Brasil poderia estar perto de zerar o déficit primário em 2021, ou mesmo ter um pequeno superávit, se desconsiderados os gastos extraordinários de combate à pandemia.

“O resultado de agosto corrobora a tendência de melhora consistente nos indicadores fiscais”, disse o Tesouro, em nota.

Recentemente, o Ministério da Economia já havia melhorado sua projeção de déficit primário para o governo central em 2021 a 139,4 bilhões de reais, diante da perspectiva de maior arrecadação.

O Tesouro frisou que neste ano as despesas ligadas ao enfrentamento da crise com o coronavírus estão mais focalizadas, com um volume autorizado ao redor de 1,6% do PIB, frente a 7% do PIB em 2020.

“Outro aspecto a se notar é o papel do teto de gastos como principal âncora fiscal num período de recuperação da receita”, disse o Tesouro, ressaltando que, com o mecanismo, a alta na arrecadação não se reverte em criação de novos gastos, mas em melhoria no resultado primário e da trajetória de endividamento.

“A recuperação da capacidade de geração de superávits primários no Brasil é uma necessidade premente, uma vez que o país, na comparação com seus pares, possui uma dívida em média mais alta e mais cara”, destacou o Tesouro.

(Por Marcela Ayres)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8R102-BASEIMAGE