Inova Mais

Google deixará de responder diretamente os pedidos de dados do governo de Hong Kong

Reuters
Reuters
Google deixará de responder diretamente os pedidos de dados do governo de Hong Kong
.

14 de agosto de 2020 - 11:18 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 07:05

Por Kanishka Singh

(Reuters) – O Google, da Alphabet, disse nesta sexta-feira que não fornecerá mais dados em resposta a solicitações das autoridades de Hong Kong, após a promulgação de uma nova lei de segurança nacional imposta pela China.

A gigante da tecnologia dos EUA não compartilhou nenhum dado desde que a nova lei entrou em vigor em junho e não responderá diretamente a essas solicitações daqui em diante, acrescentou.

“Como sempre, autoridades fora dos Estados Unidos podem buscar dados necessários para investigações criminais por meio de procedimentos diplomáticos”, disse o Google em comunicado.

O Google analisou todas as solicitações de dados e rejeitou as “muito amplas” para proteger a privacidade dos usuários, acrescentou.

O jornal Washington Post noticiou nesta sexta-feira que o Google pararia de responder diretamente os pedidos de dados das autoridades de Hong Kong, o que implica que a empresa agora trataria Hong Kong da mesma forma que trata a China continental.

O Google notificou a polícia de Hong Kong na quinta-feira que instruiria as autoridades a perseguir qualquer pedido de dados por meio de um Tratado de Assistência Jurídica Mútua com os Estados Unidos, que envolve o encaminhamento pelo Departamento de Justiça dos EUA, informou o Washington Post.

Em julho, Facebook, Google e Twitter suspenderam o processamento de pedidos de dados de usuários do governo de Hong Kong.

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG7D136-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.