Notícias

Geada danifica lavouras de verduras e legumes e faz os preços dispararem, em Londrina

A expectativa é que haja um aumento de pelo menos 25% no preço desses produtos; a qualidade dos alimentos também deve cair

Ana Clara
Ana Clara Marçal / Estagiária com informações de Laís Cardoso, da RIC Record TV e supervisão de Bruna Melo
Geada danifica lavouras de verduras e legumes e faz os preços dispararem, em Londrina
Foto: Lamartine Cortes

2 de julho de 2021 - 12:00 - Atualizado em 2 de julho de 2021 - 12:00

Devido a geada que aconteceu entre as madrugas de terça (29) e quarta-feira (30), muitos produtores tiveram suas lavouras completamente destruídas no norte do Paraná. Em Londrina, verduras, hortaliças e legumes ficaram totalmente congelados. A previsão é que os preços subam e a qualidade diminua.

“Eu comecei a irrigar de madrugada, ainda, comecei a molhar para descongelar, para ver se salvava alguma coisa. Na hora que saiu o sol, que esquentou um pouco, acabamos perdendo bastante coisa. Derreteu porque foi muito forte a geada […] reflete no preço, sim, porque tivemos todo um custeio de plantio, todo um custeio de mão de obra, adubação. Teve alface que eu nem tinha começado a colher ainda e acabou perdendo”,

conta o feirante Eduardo Oliveira.

O impacto da geada será sentido diretamente na comercialização dos produtos. Nas feiras-livres de Londrina, por exemplo, grande parte dos alimentos eram colhidos na madrugada para serem vendidos frescos, na manhã seguinte. Enquanto as lavouras se recuperam para retomar as produções, os produtos deverão ser trazidos de outras regiões menos atingidas pelo fenômeno.

“Realmente é desesperador. Nesses 24 anos como feirante, eu nunca tinha visto algo semelhante […] a qualidade caiu e o preço subiu. Ainda temos esse primeiro impacto de imediato mas a tendência é que isso só vai piorar, a qualidade vai ficar mais feia. O estrago que tinha que acontecer já aconteceu. Agora, além da qualidade cair, vai começar a vim de cidades mais longínquas, tipo interior de São Paulo, que estragou menos ou não geou. Aí o frete, tudo fica mais caro […] onde abastasse o Ceasa, a nossa central de abastecimento, comprometeu 90% da produção local.”

explica o presidente da Associação dos Feirantes de Londrina, Sílvio Costa.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.