Notícias

Gagueira tem origem na infância; conheça suas principais causas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

7 de fevereiro de 2017 - 00:00 - Atualizado em 7 de fevereiro de 2017 - 00:00

(Foto: Divulgação/Otorrinos Curitiba)

Ajuda da família é fundamental para que a criança se sinta confortável ao se comunicar

Uma disfunção que afeta a fluência e a comunicação, a gagueira tem sua origem na infância, podendo persistir, ou não, na vida adulta, segundo a fonoaudióloga Lorayne Santos, da Otorrinos Curitiba.

“Cerca de 75% das crianças entre 2 e 4 anos de idade podem apresentar gagueira fisiológica, pois o fluxo rápido de pensamento, associado à ansiedade para contar rápido algo importante, contribui para que a criança apresente dificuldades para produzir o ritmo regular e suave da fala”, explica Lorayne.

Ela ainda ressalta que é comum ter mais de um membro da mesma família com queixas de gagueira. “Há comprovações científicas da presença de genes envolvidos no surgimento e manutenção desta alteração”, acrescenta Lorayne.

De acordo com a especialista, é importante deixar claro que a gagueira não é causada por problemas emocionais. Pelo contrário: a vivência de uma fala gaguejada pode trazer alguns incômodos para a pessoa, repercutindo em questões psicológicos. O problema é causado por vários fatores, entre eles genéticos, sociais e psicológicos.

 “Fatores emocionais não podem ser cientificamente entendidos como causadores da gagueira, mas apenas agravantes dela. Crianças que ainda não manifestaram a gagueira na fala podem desenvolvê-la ao enfrentarem determinada situação de maior impacto; no entanto, isso só acontecerá se houver predisposição para a condição”, esclarece Santos.

Quem canta seus males espanta!

Uma curiosidade que muitas vezes é levantada é por que as pessoas com gagueira, quando cantam, não apresentam o problema. A explicação é que a parte do cérebro usada no canto é diferente da usada na fala.

“O cérebro tem dois sistemas pré-motores: o medial e o lateral. O primeiro fica ativo quando a pessoa fala e o outro quando ela produz sons mais ritmados, então, mesmo que haja um problema na área da fala, ele pode não aparecer durante o canto. Sílabas prolongadas, emitidas durante o canto, também minimizam o problema. Quem gagueja tem o ritmo da fala alterado, e ao cantar estabelece ritmo pré-determinado”, comenta a fonoaudióloga.

Outra explicação para isso é que o canto é apenas reproduzido e não processado como a fala.

Tratamento

A gagueira tem cura. Pacientes com esse problema conseguirão ter uma fala normal se o tratamento for iniciado assim que percebida a alteração. Segundo a especialista, “o tratamento deve ser iniciado assim que percebidas as manifestações. Quanto maior a espera, menores são as chances de cura”, alerta.

Ajuda da família

Para os pais que tem criança com esse problema, a ajuda em casa é fundamental para que ela se sinta confortável ao se comunicar, oferecendo um ambiente sem cobranças.

 “Os pais são orientados a tomar algumas atitudes como: ouvi-la com atenção e naturalidade enquanto fala; separar um tempo para conversar com ela, sem distrações, sem pressa, devagar, mas sem perder a naturalidade da fala; incentivar todos os membros da família a serem bons ouvintes; criar um ambiente o mais relaxante e tranquilo possível; evitar chamar atenção durante interações diárias ou reagir negativamente à gagueira; não punir e não criticar. E lembrar que a gagueira é individual, intermitente e involuntária”, recomenda Lorayne.

Leia mais

Especialista dá dicas de adaptação para crianças na escola

 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.