Notícias

G20 podem estender por um ano alívio da dívida de países mais pobres

Reuters
Reuters

12 de outubro de 2020 - 14:04 - Atualizado em 12 de outubro de 2020 - 14:04

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) – Alguns países credores do G20 estão relutantes em ampliar e estender por mais um ano o alívio do serviço da dívida dos países mais pobres do mundo por causa da epidemia de coronavírus, e um compromisso de uma extensão de seis meses pode surgir esta semana, disse nesta segunda-feira o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

Malpass, falando a repórteres enquanto as reuniões anuais virtuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional estão em andamento, disse que os grupos de trabalho da dívida do G20 não chegaram a um acordo sobre o impulso das duas instituições para uma extensão de um ano da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida do G20 (DSSI).

“Acho que pode se chegar a um compromisso que pode ser uma extensão de seis meses a ser renovada dependendo da sustentabilidade da dívida”, disse Malpass.

Ministros das finanças e governadores de bancos centrais das principais economias do G20 devem se reunir por videoconferência na quarta-feira. Em maio, eles lançaram uma iniciativa para permitir que os países pobres suspendessem os pagamentos da dívida bilateral oficial devida aos países credores do G20 até o final de 2020 que, segundo Malpass, teria liberado 5 bilhões de dólares para reforçar as respostas ao coronavírus até agora.

Malpass e a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, alertaram que é necessário muito mais alívio da dívida para os países pobres e de renda média, incluindo a redução do principal, para evitar uma “década perdida” enquanto a pandemia destrói a atividade econômica.

Malpass afirmou que as duas instituições irão propor um plano de ação conjunto para reduzir o estoque da dívida dos países pobres com dívidas insustentáveis, mas que as nações devedoras precisam exigir mais fortemente o alívio da dívida para que mais progresso seja feito.

“Os líderes das nações devedoras têm sido respeitosos com os credores”, disse Malpass. “É muito importante que os líderes das nações mais pobres falem abertamente sobre a necessidade de uma redução do peso da dívida das nações credoras. Esse diálogo ainda não foi tão robusto quanto penso ser necessário para levar este processo adiante.

Um novo estudo da dívida do Banco Mundial publicado na segunda-feira mostrou que entre os países elegíveis para o programa de alívio da dívida do G20, a dívida externa subiu 9,5% em 2019, para 744 bilhões de dólares, ainda antes da pandemia.

A dívida bilateral oficial dos países mais pobres com os países do G20 chegou a 178 bilhões de dólares em 2019, com 63% do total devido à China. Segundo o estudo, a participação da China era de 45% em 2013, ano em que Pequim lançou seu projeto global de infraestrutura rodoviária e de cintura.