Notícias

Futuro político de Trump fica em risco após ataque ao Capitólio, dizem assessores

Reuters
Reuters
Futuro político de Trump fica em risco após ataque ao Capitólio, dizem assessores
Presidente dos EUA, Donald Trump, discursa em comício em Washington

8 de janeiro de 2021 - 09:45 - Atualizado em 8 de janeiro de 2021 - 09:50

Por Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) – O violento ataque ao Capitólio dos Estados Unidos por apoiadores do presidente Donald Trump e sua longa recusa em aceitar os resultados das eleições de 2020 colocam em risco o futuro político do presidente e prejudicam as perspectivas de seus principais aliados e familiares, disseram autoridades atuais e antigas do governo.

O presidente republicano acenou com a possibilidade de concorrer à Presidência em 2024, e agentes políticos previam que ele exercesse influência sobre o Partido Republicano nos próximos anos.

Mas seu comportamento na quarta-feira –incitando apoiadores a marcharem até o Capitólio para encorajar parlamentares a derrubar a vitória do democrata Joe Biden na eleição de 3 de novembro e, em seguida, não pedir rapidamente que parassem após a violência– frustrou pessoas que trabalham e trabalharam com Trump e, segundo eles, mudou a equação sobre sua relevância pós-Presidência.

“Foi um abandono do dever como comandante-em-chefe e acredito que ele está mortalmente ferido na carreira política daqui para frente”, disse na quinta-feira um ex-funcionário da Casa Branca que trabalhou para Trump. “Ele tem sangue em suas mãos desde ontem.”

Apoiadores de Trump invadiram o Capitólio, empurraram a polícia e vagaram pelo prédio, forçando os legisladores e o vice-presidente Mike Pence a deixarem o prédio. Uma mulher morreu após ser baleada pela polícia; três outras pessoas morreram de emergências médicas e um policial morreu em decorrência dos ferimentos sofridos após confronto com os invasores.

“Não há recuperação do que aconteceu. Foi uma sedição. Não vejo como haver futuro”, disse outra ex-autoridade do governo, referindo-se a Trump e seus principais assessores. “Acho que os membros do gabinete que ficaram e que não estão se manifestando agora, ou mesmo renunciando silenciosamente, terão uma mancha para sempre.”

O antigo funcionário do governo destacou o secretário de Estado Mike Pompeo, um acólito de Trump que pode ter ambições presidenciais, por não fazer mais para condenar o que aconteceu. Pompeo publicou um tuíte no qual chamou a violência de “inaceitável”. O Departamento de Estado não quis comentar mais.

A secretária de Transportes dos EUA, Elaine Chao, anunciou na quinta-feira que renunciaria, assim como a secretária de Educação, Betsy DeVos, que citou o impacto da retórica de Trump em estimular o tumulto no Capitólio. Outros funcionários de nível inferior do governo também anunciaram suas saídas, a cerca de duas semanas do fim do governo Trump.

O mais perto que o presidente chegou de uma concessão foi em uma declaração em vídeo na noite de quinta-feira, na qual ele prometeu trabalhar para uma transferência tranquila de poder para o novo governo e chamou a violência no Capitólio de um “ataque hediondo”.

Mas o discurso veio tarde e após a intervenção de sua filha, Ivanka, de acordo com uma atual autoridade da Casa Branca, que observou que o golpe político dos eventos da semana se estenderia a seus familiares, como a nora Lara Trump, uma potencial candidata ao Senado dos Estados Unidos pela Carolina do Norte.

Os ex-funcionários que falaram à Reuters para esta reportagem apoiaram amplamente o presidente, mesmo depois de deixarem seus cargos.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH070Q0-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.