Notícias

França cogita mais restrições de Covid-19 devido a ocupação maior de UTIs

Reuters
Reuters
França cogita mais restrições de Covid-19 devido a ocupação maior de UTIs
Profissionais de saúde tratam paciente em leito de UTI de hospital de Marselha

13 de outubro de 2020 - 09:45 - Atualizado em 13 de outubro de 2020 - 09:45

PARIS (Reuters) – O presidente da França, Emmanuel Macron, se reuniu com ministros de gabinete nesta terça-feira para debater possíveis restrições adicionais para enfrentar uma segunda onda de coronavírus que assola o país.

A França, como os vizinhos Reino Unido e Espanha, luta para descobrir como desacelerar a disseminação do vírus e aliviar a pressão sobre um sistema de saúde novamente sobrecarregado enquanto mantém a economia de 2,71 trilhões de dólares ativa e protege os empregos.

O país relatou mais de 1.500 pacientes de Covid-19 em unidades de tratamento intensivo na segunda-feira, um nível que não era visto desde o final de maio.

Macron fará um pronunciamento em rede nacional na noite de quarta-feira, e seu primeiro-ministro, Jean Castex, se recusou a descartar lockdowns locais.

“Nada deveria estar fora de cogitação quando você vê a situação que nossos hospitais enfrentam”, disse Castex à rádio France Info na segunda-feira.

Os grandes jornais Le Monde e Le Figaro noticiaram que toques de recolher em locais que são focos de Covid são uma opção, já aventada no mês passado pelo Conselho Científico que orienta o governo.

As cinco maiores cidades francesas –Paris, Marselha, Lyon, Toulouse e Lille– estão entre as nove áreas metropolitanas já em alerta máximo, o que significa que bares e academias de ginástica estão fechados e os restaurantes operam sob condições sanitárias rígidas.

Dados de autoridades de saúde mostram que a proporção de exames positivos de Covid aumentou quase 12% em toda a nação – uma taxa abaixo de 5% mostra um controle da proliferação, disseram especialistas de saúde.

(Por Dominique Vidalon e Sudip Kar-Gupta)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9C0ZR-BASEIMAGE