Caroline
Caroline Berticelli / Editora com informações do R7

8 de fevereiro de 2020 - 00:00

Atualizado em 8 de fevereiro de 2020 - 00:00

Notícia Boa!

Brasileira que tirou foto de bebê que nasceu empelicado ganha prêmio internacional

A estimativa é de que casos de nascimento empelicado são de um para cada 80 mil

Brasileira que tirou foto de bebê que nasceu empelicado ganha prêmio internacional
Foto: Reprodução/Facebook

A fotógrafa brasileira Janaína Brasil venceu a categoria ‘detalhes de nascimento’, do Birth Photography Image Competition, com uma foto que mostra um bebê que nasceu empelicado, ou seja, dentro do saco amniótico que não se rompeu

A premiação é realizada pela Associação Internacional de Fotos Profissionais de Nascimento

A fotografia em questão é o registro do pequeno Noah, que veio ao mundo em Vila Velha, no Espírito Santo, e foi publicada em janeiro de 2019. 

Orgulhosa, a profissional comemorou em sua rede social:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Winners of the 2020 Birth Photography IAPBP – Internacional Association of Professional Birth Photographers @birthphotogs Apenas três fotografas da América latina receberam essa menção honrosa esse ano, entre 1100 fotógrafos de 52 países. Essas três fotógrafas são BRASILEIRAS e eu sou uma delas ❤ Muita gratidão em meu coração, um concurso tão disputado, tão importante. Quanta honra poder estar entre eles e nosso Baby Noah e Baby Pedro sendo notícias!!! O meu muito obrigado primeiramente a Deus por me capacitar, por conseguir registrar momentos tão especiais. Obrigado ao meu marido @aguitoalexandre por sempre acreditar em mim e insistir para que eu participasse desse concurso e obrigado também Dr Rafael @rafaelangeloavancebaggieri que fez esses partos lindos!!! Meu coração é só GRATIDÃO ❤️ . . . #janabrasilfotografia #birthphotos #fotografiadeparto #fotografiadenascimento #mençãohonrosa #iapbp #focarclicareamarfotododia #hospitalpraiadacosta

Uma publicação compartilhada por JanaBrasil Fotografia (@janabrasilfotografia) em

Nascimento empelicado

Na maioria das vezes, a bolsa onde o bebê está alojado dentro da barriga da mãe se rompe logo depois da mulher sentir as primeiras contrações. No entanto, em situações raras, isso não ocorre, e a criança nasce envolta na membrana que o manteve protegido dentro do líquido amniótico. A estimativa é de que casos de nascimento empelicado são de um para cada 80 mil. 

Ainda não é claro para a ciência o porquê da ocorrência, mas é comprovado que não traz nenhum perigo tanto para o bebê como para a mãe. Pelo contrário, em casos que a mulher é portadora de alguma doença infecciosa, como por exemplo, HIV, os médicos preferem que o bebê nasça empelicado, por cesárea, para evitar que tenha contato com o sangue contaminado.