Notícias

Filho suspeito de mandar matar o pai fez declaração de amor para vítima no Facebook

No último Dias dos Pais, Luiz Felipe Alcalá agradeceu pela parceria e declarou seu amor pelo empresário Geovane Charlles Alcalá na rede social

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

23 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:35

O filho suspeito de mandar matar o pai em Paranaguá, no litoral do Paraná, fez uma postagem especial em sua rede social para Geovane Charlles Alcalá, de 47 anos, no último último dias dos pais. (Assista reportagem abaixo)

Filho suspeito de mandar matar o pai fez post especial 

Na publicação, feita no dia 11 agosto, Luiz Felipe Alcalá, de 24 anos, agradeceu ao pai pela parceria e declarou seu amor. “Paizao, eu sei que sempre posso contar com você, com seu amor, sua sabedoria.a parceria E o Dia dos Pais é o momento perfeito para dizer o muito obrigado por tudo o que você faz por nós . Que nunca se acabe essa nossa parceria , que além de pai é meu Irmaoooo que está cmg para o que der e vier. Eu te amo. Feliz Dia dos Pais meu Rei , minha base ! ??❤️ estamos Junto”, diz o post. 

Veja: 

Entenda a morte do empresário em Paranaguá

O empresário Geovane Charlles foi morto a tiros dentro de sua própria casa no início da tarde de sexta-feira (20). Poucas horas depois, o assassino Rafael Anderson Kubiak da Veiga, de 23 anos, foi encontrado pela polícia no forro da residência. 

Em depoimento, Rafael confessou que foi contratado pelo filho do empresário para cometer o crime. Segundo ele, Luiz Felipe ofereceu R$ 10 mil para que ele executasse a vítima, planejou como seria o assassinato e forneceu a arma usada para matar o próprio pai

O filho suspeito de mandar matar o pai não se manifestou durante o depoimento. (Foto: Reprodução/RICTV)

Luiz Felipe foi preso em flagrante ainda na sexta-feira, mas não se pronunciou sobre o caso, conforme orientação de seus advogados de defesa. 

“No momento eu não tenho condições, no momento eu não me alimentei desde manhã, eu tô sem comer. A situação aconteceu no almoço, eu vi aquelas cenas do meu pai daquele jeito”, disse o filho suspeito de mandar matar o pai. 

Delegado não tem dúvidas sobre participação do filho

No entanto, mesmo sem manifestação de Luiz Felipe, para o delegado que coordenou as investigações não há dúvidas da participação do jovem na morte do pai.  “Todos os indícios apontam pra que ele seja o mandante desse delito, em especial, as mensagens enviadas pelo executor dos disparos pra ele [Luiz Felipe] no momento em que ele se encontrava escondido no forro da suíte da própria vítima. Era a todo momento, após a realização dos disparos, ele pede que o  Luiz Felipe o retire dali do forro e ele ressalta, inclusive, que isso vai dar problema pros dois”, explicou Nilson Diniz.   

Além disso, a arma usada para matar o empresário em Paranaguá foi encontrada, após o crime, escondida dentro da residência. “A arma é a arma da própria vítima, essa arma não estava em posse do atirador no momento da captura e sim num dos quartos da residência. Isso demonstra que aquela arma foi retirada da mão do atirador em determinado momento”, disse. 

Ex-mulher de vítima conta que pai batia no filho

Em depoimento, a ex-mulher Geovane Charlles Alcalá, de 47 anos, e madrasta de Luiz Felipe, contou que pai e filho sempre tiveram uma relação conturbada, insatisfação, na maioria das vezes, motivada por dinheiro. Na última semana, segundo ela, os dois teriam se desentendido por causa de uma obra que Luiz Felipe teria feito na casa de sua namorada.

‘Esses dias ele falou que o Felipe pegou dinheiro dele pra arrumar a casa da namorada, que dai ele ficou brabo. Era assim, eu não entrava muito em detalhes porque eu não queria me envolver mais com ele e ele também não contava o certo o que acontecia, mas essa semana toda ele falou tudo isso”, disse. 

A mulher, que não quis se identificar, também contou que viveu um relacionamento de 15 anos com o empresário e, durante esse tempo, presenciou o pai agredir o filho várias vezes e até ameaçá-lo de morte

Ela ainda pontuou que na madrugada que antecedeu o crime, os dois tiveram uma discussão e que quando soube que algo havia ocorrido, seu primeiro pensamento foi de que o pai matou o filho e não ao contrário

“Quando eu soube da notícia, eu já imaginei que ele tivesse matado o Felipe. que o Geovane tivesse matado o Felipe porque ele tava muito nervoso com o Felipe, nervoso demais essa semana”, finalizou. 

O delegado explica que ainda não é possível identificar a motivação do crime, mas que relação difícil entre pai e filho, provavelmente, é uma das razões que levaram o suspeito a encomendar, planejar e até ajudar a colocar em prática a morte do próprio pai

“Não tenho como apontar que esse seja a motivação, mas há indícios de que sim, seja essa relação conturbada existente entre Luiz Felipe e seu pai. Algumas testemunhas mencionaram, inclusive, que ele teria sido humilhado em via pública na presença de outras pessoas, há também uma testemunha que vai ser ouvida que presenciou uma discussão na madrugada anterior ao crime, uma discussão áspera entre pai e filho”, disse Diniz.

Assista à reportagem completa sobre o caso:

 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.