Coronavírus

Feirantes ganham plataforma gratuita para vendas online em Curitiba

Lucas
Lucas Sarzi Com informações da Prefeitura de Curitiba
Feirantes ganham plataforma gratuita para vendas online em Curitiba
Já que as feiras livres estão suspensas, saída é comprar online. Foto: Pedro Ribas/SMCS

6 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:49

Por causa da pandemia do novo coronavírus, até os feirantes precisaram se adaptar para pelo menos tentar manter o orçamento. Em Curitiba, a prefeitura e uma startup da capital se uniram para fazer com que os alimentos dos 389 feirantes continuem sendo vendidos, mas agora de forma online. Os produtos e contatos dos feirantes estão todos na plataforma Olist Shops.

Dessa forma, cada um dos feirantes pode ter, gratuitamente, sua “banca virtual” e comercializar a distância. A venda, pagamento e entrega são combinados entre o feirante e o freguês. No momento da compra, cliente e empreendedor negociam diretamente pelo WhatsApp.

Não há cobrança para abrir uma loja virtual nem de comissão sobre vendas no Olist Shops. “Esta parceria, que foi fomentada pela Agência Curitiba, por meio do Vale do Pinhão, é para facilitar o acesso ao produto em tempo de isolamento social. Comprar dos nossos feirantes é garantir alimento de qualidade na mesa, além de ajudar os produtores da Região Metropolitana, que abastece Curitiba”, disse o secretário municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Luiz Gusi.

Desenvolvida para smartphones, inicialmente com sistema Android, a plataforma Olist Shops é simples de ser acessada e o cadastro – que leva no máximo três minutos – é feito no smartphone do feirante. São apenas três passos e, em seguida, o produto fica disponível em um site com o nome do feirante e os clientes podem acessar pelo computador ou celular:

– Cadastrar o item;
– Adicionar título para o anúncio, descrição do produto e preço;
– Acrescentar uma foto para deixar o anúncio mais atrativo.

Feirantes aderindo à plataforma

O feirante Thales Bevilacqua Mendonça, que vende hortifrútis orgânicos, conta que foi fácil o cadastro dos produtos de sua banca. “Já vinha mantendo contato com os meus clientes, avisando que faço delivery e entrega direto na feira. Agora vou poder ampliar a oferta para toda a cidade, permitindo que outras pessoas possam fazer pedidos por Whatsapp”.

Osvaldo Brasil, que vende empanadas bolivianas, espera um aumento nas vendas com o auxílio da plataforma. “É uma vitrine diferente e muito válida. Estamos em um momento em que é necessário buscar alternativas”, completou.

Ampliando o acesso

Criado em 2015, o Olist conecta pequenos comerciantes a e-commerces como Amazon, Americanas e Mercado Livre sem contratos ou gerenciamento de várias plataformas. A startup curitibana coloca em uma só plataforma atendimento ao cliente, pedidos, pagamentos, gestão de estoque, precificação e logística. No ano passado, a empresa entrou para o Tecnoparque, programa da prefeitura de Curitiba que oferece redução de 5% para 2% no ISS para empresas que desenvolvem projetos de tecnologia e inovação.