Notícias

Fed sinaliza redução de compra de títulos “em breve”, alta de juros passa para 2022

Reuters
Reuters
Fed sinaliza redução de compra de títulos “em breve”, alta de juros passa para 2022
Sede do Federal Reserve, banco central dos EUA, em Washington

22 de setembro de 2021 - 15:24 - Atualizado em 22 de setembro de 2021 - 15:25

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) – O Federal Reserve abriu caminho nesta quarta-feira para reduzir suas compras mensais de títulos “em breve” e sinalizou que aumentos de juros podem se seguir mais rapidamente que o esperado, com nove das 18 autoridades do banco central norte-americano projetando que os custos de empréstimos precisarão aumentar em 2022.

As ações, incluídas no comunicado de política monetária do Fed e em projeções econômicas separadas, representam uma guinada “hawkish” (mais propensa ao aperto monetário) por um banco central que vê inflação a 4,2% neste ano, mais que o dobro de sua meta, e está se posicionando para agir contra ela.

A atual meta para a taxa de juros foi mantida em intervalo de 0% a 0,25%.

Embora reconheça que o novo surto da pandemia desacelerou a recuperação de algumas áreas da economia, indicadores em geral “continuam a se fortalecer”, disse o Fed em um comunicado unânime.

Se esse avanço continuar “como esperado, o Comitê julga que a moderação no ritmo de compras de ativos pode ser em breve justificada”, disse o Fed.

A sinalização de que o Fed começaria em breve a reduzir suas compras mensais de 120 bilhões de dólares em títulos que vem fazendo para conter o impacto da pandemia era amplamente esperada.

Mas foi em sua perspectiva econômica mais ampla que as autoridades do Fed fizeram uma mudança menos esperada.

A perspectiva para a inflação saltou em 0,8 ponto percentual para 2021, a 4,2%, e a taxa de desemprego estimada para o final do ano aumentou. Por sua vez, duas autoridades anteciparam para 2022 o cronograma projetado para elevação da taxa de juros do atual nível perto de zero, o suficiente para aumentar a mediana das projeções para 0,3% para o próximo ano.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8L0YY-BASEIMAGE