Notícias

Fechamento do Shopping Hauer não tem relação com aglomerações na pandemia, diz MP

Um novo empreendimento deve ser construído na esquina da Rua Benjamin Lins com a Av. Coronel Dulcídio

Aline
Aline Taveira / Produtora com informações do MPPR
Fechamento do Shopping Hauer não tem relação com aglomerações na pandemia, diz MP
O local é velho conhecido dos frequentadores da vida noturna curitibana. (Foto: RIC Mais)

28 de abril de 2021 - 11:17 - Atualizado em 28 de abril de 2021 - 11:17

O Shopping Hauer, conhecido ponto da vida noturna de Curitiba (PR), teve parte de seus empreendimentos vendidos e deve ser substituído por um novo negócio. Os donos dos bares e restaurantes foram informados da negociação e o rompimento do aluguel já está em andamento. 

A negociação, porém, não tem ligação direta com a aglomeração no local em tempos de isolamento social por conta da Covid-19. O Ministério Público do Paraná revelou em nota que não há nenhuma denúncia específica sobre o local depois do início da pandemia do novo coronavírus e que a fiscalização tem sido efetiva.  

“Em relação à pandemia, o Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba, informa que tem diversas ações referentes à devida fiscalização pelo Município e Estado para coibir aglomerações. Nenhuma, porém, é específica sobre o local citado, podendo ser instaurado procedimento, caso surjam denúncias a esse respeito”, diz o MPPR em nota.

O MPPR afirmou, porém, que o Shopping Hauer é investigado desde 2018, “a partir de representação apresentada pelos moradores e comerciantes do entorno do Shopping Hauer, relativa à perturbação do sossego e poluição sonora causadas pelos frequentadores dos estabelecimentos ali localizados”. Na ocasião, foram instaurados processos individuais para verificar a regularidade de cada um dos empreendimentos.

“Alguns estabelecimentos acabaram tendo o alvará de localização e funcionamento cassado pela Secretaria Municipal do Urbanismo, outros impetraram mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça para garantir a continuidade de seu funcionamento”, afirmou o MP.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas no Paraná (ABRABAR-PR), Fabio Aguayo, confirma que a venda não tem relação com a pandemia e não passa de uma oportunidade de negócio.

Fabio ainda explica que a ABRABAR está disposta a lutar pelos direitos dos trabalhadores que podem ser prejudicados com a venda.

“Muitos compraram o ponto recentemente, investiram, acreditaram no negócio mesmo com a pandemia. Muitas famílias dependem disso, tem muita gente endividada. Vamos tentar administrativamente prorrogar isso, ou brigar judicialmente para que eles possam ter seus direitos reconhecidos”, diz ele.

Ainda não foi anunciado o empreendimento que será construído no local. A parte vendida do estabelecimento deve render cerca de R$ 40 milhões ao proprietário, de acordo com a especulação imobiliária. 

Graças à divisão feita através de um muro que separa o shopping em duas propriedades, somente a parte de cima, que vai da Rua Benjamin Lins e faz esquina com a Av. Coronel Dulcídio, será vendida. A esquina com a Rua Comendador Araújo, conhecida como “parte de baixo”, portanto, deve ser mantida pelos empresários

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.