Notícias

Exército faz exercício militar por defesa da soberania da Amazônia

Reuters
Reuters
Exército faz exercício militar por defesa da soberania da Amazônia
Soldados do Exército são enviados para cidades do Amazonas para fazerem segurança da eleição de 2010

15 de setembro de 2020 - 15:23 - Atualizado em 15 de setembro de 2020 - 15:25

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O Exército coordena entre os dias 4 e 23 de setembro uma manobra militar que envolve cerca de 3.600 militares na região de Manaus com o objetivo de simular exercícios de defesa da soberania da Amazônia brasileira, informou nesta terça-feira a assessoria de comunicação do Ministério da Defesa em nota.

Na terça, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, acompanhou tiros feitos por um sistema de lançamento de foguetes que foi deslocado de Formosa, em Goiás, até a região da Amazônia.

“É uma operação de vulto que está integrando cerca de 3.600 homens do nosso Exército brasileiro, apoiado pela Marinha do Brasil e pela Força Aérea”, disse Azevedo, em vídeo divulgado pela pasta.

O presidente Jair Bolsonaro e outros integrantes do Executivo têm feito publicamente uma defesa enfática da soberania da Amazônia desde o início do governo em meio a pressões internacionais por uma melhor gestão da floresta amazônica ante o aumento do desmatamento e das queimadas na região.

Militares das Forças Armadas também foram deslocados para a região para ajudar a combater crimes ambientais. No entanto, os incêndios na floresta se agravaram em setembro, segundo dados de satélite.

Além disso, embora o desmatamento tenha caído em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, a devastação da Amazônia permanece em patamares elevados.

Nesta terça, o vice-presidente Hamilton Mourão, que é general do Exército na reserva e preside o Conselho da Amazônia, creditou a um funcionário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) a divulgação de dados sobre queimadas no país negativos para o governo, pois ele seria opositor do governo. Entretanto, os dados sobre queimadas no país são públicos e estão disponíveis em uma página especial do Inpe na Internet, aberta ao público em geral.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG8E1Q4-BASEIMAGE