Notícias

EUA lançam ‘superbomba’ sobre o leste do Afeganistão

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

13 de abril de 2017 - 00:00 - Atualizado em 13 de abril de 2017 - 00:00

‘Mãe de todas as bombas’ é a maior arma do arsenal americano antes da bomba nuclear (Foto: U.S. Departament of Defense)

Chamada de “mãe de todas as bombas”, a GBU-43 é a maior bomba não nuclear do arsenal americano

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou nesta quinta-feira (13) que os Estados Unidos lançaram uma bomba no leste do Afeganistão por volta das 19h (hora local afegã). Spicer disse que o ataque tinha como alvo o sistema de túneis e cavernas usado pelo Estado Islâmico para se mover livremente e atacar forças americanas e afegãs na área. O porta-voz também disse que os militares americanos agiram com precaução no episódio, a fim de minimizar a morte de civis.

A bomba lançada foi uma GBU-43, chamada de “mãe de todas as bombas”, a maior bomba não nuclear do arsenal americano. O Pentágono informou que a intenção era reduzir obstáculos na área e manter o impulso na ofensiva contra os militantes do Estado Islâmico.

Questionado sobre detalhes relativos ao ataque com a bomba, Spicer disse que não trataria mais do assunto e que isso caberia ao Departamento de Defesa.

O porta-voz falou sobre passos recentes do governo americano, como o encontro de ontem entre Trumpe o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg. Segundo Spicer, o presidente americano tem enfatizado a importância de que cada país pague uma parcela justa nos custos com defesa dentro da aliança.

Além disso, Spicer disse que o fato de que a China se absteve no Conselho de Segurança em uma resolução sobre a Síria foi uma vitória de Trump e deixou a Rússia mais isolada nessa questão. Moscou apoia o regime de Bashar al-Assad, mas os EUA dizem que o líder sírio foi o responsável por um aparente ataque com arma química ocorrido na semana passada no país, por isso lançaram mísseis contra uma base militar síria.

Spicer ainda informou que Trump receberá na próxima semana o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.