Notícias

Estudo com 67 mil profissionais de saúde confirma eficácia da CoronaVac contra variante de Manaus

Reuters
Reuters
Estudo com 67 mil profissionais de saúde confirma eficácia da CoronaVac contra variante de Manaus
Funcionários manuseiam frascos da vacina contra Covid-19 CoronaVac em fábrica do Instituto Butantan em São Paulo

7 de abril de 2021 - 09:31 - Atualizado em 7 de abril de 2021 - 09:35

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – A vacina contra Covid-19 CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac e envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, é eficaz contra a variante P.1 do novo coronavírus em 50% dos casos apenas com a aplicação da primeira dose, mostrou um estudo feito com 67.718 profissionais de saúde em Manaus, onde a nova cepa –que surgiu na cidade– é predominante.

O estudo, feito pelo grupo de pesquisa Vebra Covid-19 (Sigla em inglês para Efetividade da Vacina contra Covid-19 no Brasil), mostrou que a CoronaVac preveniu o adoecimento pela Covid-19 em 50% dos casos apenas 14 dias depois da aplicação da primeira dose. Uma segunda dose, aplicada entre 21 e 28 dias depois da primeira, é necessária para completar o ciclo de imunização.

Conforme a Reuters antecipou no início de março, um outro estudo, esse feito pelo Butantan em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e em menor escala, já havia mostrado a efetividade da vacina contra a variante de Manaus. Para este estudo, o instituto colheu sangue de pessoas que haviam sido imunizadas com a CoronaVac e fez o teste com a variante em laboratório.

A pesquisa em maior escala feita em Manaus comprovou as informações dadas pelo Butantan.

O grupo Vebra, formado por pesquisadores de universidades brasileiras e estrangeiras, servidores de saúde dos Estados de São Paulo e Amazonas, e das cidades de Manaus e São Paulo, segue ainda a pesquisa para verificar a efetividade da vacina depois da aplicação da segunda dose. Ainda assim, a avaliação até agora é de que a CoronaVac é capaz de diminuir a circulação da variante de Manaus.

“Esses resultados são encorajadores porque a CoronaVac continua sendo efetiva na redução de risco de doença sintomática em um cenário com mais de 50% de prevalência de P.1. Esses achados apoiam o uso contínuo dessa vacina no Brasil e em outros países com a circulação da mesma variante”, diz a nota do grupo divulgada na manhã desta quarta-feira.

Os pesquisadores também farão o mesmo estudo com a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, envasada no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz. Também no início de março, a Reuters antecipou que estudos preliminares apontaram a eficácia deste imunizante contra a variante P.1, informação posterirmente confirmada pela Fiocruz.

A chamada variante de Manaus foi identificada no início de janeiro, quando o Japão informou ao governo brasileiro que quatro viajantes vindos da cidade carregavam a Covid-19 com uma cepa diferente da encontrada até então.

Mais contagiosa, a chamada P.1 se espalhou rapidamente pelo Brasil e está cruzando as fronteiras para outros países da América Latina.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH360RM-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.