Educação

Estudante é arrastada pelo cabelo e agredida por colegas; assista

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

19 de abril de 2017 - 00:00 - Atualizado em 19 de abril de 2017 - 00:00

Vídeo flagra briga entre estudantes de colégio em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba. (Foto: Reprodução)

De acordo com a vítima, a confusão começou depois de ela ser acusada de se envolver com o namorado de uma das agressoras

*Com informações do repórter Daniel Santos

Imagens registradas por uma câmera de celular mostram uma briga entre estudantes de um colégio de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

O vídeo foi gravado no dia 11 de abril, mas só foi divulgado nesta terça-feira (18). Nele, é possível assistir à agressão de uma menina, cercada por um grupo de aproximadamente dez adolescentes, que incitam a violência. 

A estudante é agredida por uma colega e cai no chão. Ela é arrastada pelo cabelo e, mesmo caída e sem reagir, continua apanhando. Em seguida, outra agressora entra em cena. Uma mulher passa pela calçada vê a briga e não faz nada para separar as meninas. 

A vítima mora bem próximo à escola e contou à equipe de reportagem da RICTV que a confusão começou depois de ela ser acusada de se envolver com o namorado de uma das agressoras, um rapaz de 20 anos. Ainda segundo ela, esta não foi a primeira briga entre as estudantes. No dia 27 de março, houve outro desentendimento, longe do colégio e pelo mesmo motivo. 

Assista ao vídeo:

Investigação e ameaças

A mãe da adolescente de 13 anos estava trabalhando quando recebeu o vídeo da briga e a reconheceu.  Ao chegar em casa, a mulher encontrou a filha machucada e foi até a delegacia, onde registrou um boletim de ocorrência. 

A estudante diz que, depois que a mãe chamou a polícia, tem medo de ir à escola. De acordo com a adolescente, após o ocorrido, ela sofreu inclusive ameaça de morte.

Responsabilidade da escola

Procurado pela reportagem, o diretor da instituição de ensino disse apenas que o problema não teve origem na escola e que as brigas aconteceram a mais de cem metros dos portões. 

Por meio de nota, a Secretaria de Educação de Campo Largo informou que o colégio chamou os pais e responsáveis pelas alunas para orientá-los e que a instituição vai reforçar o trabalho de prevenção e de enfrentamento à violência com os demais estudantes e com apoio do batalhão da patrulha escolar comunitária.

Leia também:

Anorexia: jovem descreve luta de 15 anos contra a doença 

Em reação à Baleia Azul, publicitários criam lista de ‘tarefas do bem’