Notícias

Estudante de direito que fez vídeo ameaçando “matar negraiada” é indiciado

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

18 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 18 de fevereiro de 2019 - 00:00

Estudante de direito é indiciado por racismo. (Foto: Reprodução)

O vídeo foi gravado em 2018 quando o rapaz estava a caminho para votar no 2º turno das eleições; ele foi denunciado pelo crime de racismo

O estudante de direito que gravou e divulgou um vídeo no qual aparecia proferindo mensagens racistas e de ódio foi indiciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). A 24ª Promotoria de Justiça Londrina, no Norte-Central paranaense, cidade em que a gravação foi feita, apresentou denúncia criminal por racismo contra Pedro Bellintani Baleotti, 25 anos.

De acordo com a denúncia, o jovem praticou crime de racismo, “desejando a morte das pessoas negras” e contribuindo “para incitar a discriminação contra os negros […], proferindo palavras impróprias e pejorativas”. Ele responderá pela prática do crime de racismo qualificado, que prevê pena maior de dois a cinco anos de reclusão e multa.

A denúncia foi feita no dia 13 de fevereiro. O indiciado não possui advogado vigente.

Vídeo ameaçando negros e adversários políticos

A gravação, feita no dia 28 de outubro de 2018 quando Pedro estava a caminho para votar no segundo turno das eleições, foi divulgada pelas redes sociais e causou grande repercussão. Além de ameaçar pessoas negras, ele também fez ataques a adversários políticos. “Louco pra ver um vadio, um vagabundo, com camiseta vermelha e já matar logo”, diz em um trecho do vídeo gravado dentro do carro.

Na ocasião, ao tomar conhecimento do caso, um escritório de advocacia na capital paulista desligou Pedro do quadro de estagiários. Estudantes da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo, onde o jovem cursa Direito, chegaram a fazer um protesto contra o vídeo do colega.

Em um outro vídeo, Pedro também apareceu dentro de um apartamento ostentando uma arma. O revólver chegou a ser apreendido pela polícia e foi revelado que era registrada no nome do pai do rapaz.

Pedido de perdão

Ainda em 2018, Pedro disse, durante entrevista a uma rede de TV, que estava arrependido de ter gravado os vídeos e que não era racista, nem violento ou preconceituoso.

Assista ao vídeo:

O Balanço Geral Londrina falou sobre o caso na época. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.