Entretenimento

Estátua de Thomas Jefferson será retirada de câmara do Conselho de Nova York

Reuters
Reuters
Estátua de Thomas Jefferson será retirada de câmara do Conselho de Nova York
Estátua de Thomas Jefferson que será removida do Conselho da Cidade de Nova York

19 de outubro de 2021 - 17:38 - Atualizado em 19 de outubro de 2021 - 17:40

Por Brendan O’Brien

(Reuters) – A estátua do presidente norte-americano Thomas Jefferson, presente na câmara do Conselho da Cidade de Nova York durante mais de um século, será retirada agora que uma comissão pública reavaliou o legado de um dos pais fundadores da nação, que também era proprietário de escravos.

A Comissão de Projetos Públicos da Cidade de Nova York votou na segunda-feira de forma unânime pelo desmantelamento da imagem de bronze de 2,13 metros de Jefferson, que testemunha acontecimentos na cidade mais populosa dos Estados Unidos desde 1915.

A comissão concordou em emprestar a estátua de 187 anos à Sociedade Histórica de Nova York por longo prazo. Ela é uma cópia de uma estátua ainda instalada na Rotunda do Capitólio dos EUA.

“Jefferson incorporou algumas das partes mais vergonhosas da longa e matizada história de nosso país”, disse Adrienne Adams, integrante do conselho e copresidente do Caucus Negro, Latino e Asiático. “É hora de a cidade virar a página e seguir em frente.”

Monumentos semelhantes foram alvo de protestos antirracismo nos últimos anos. Estátuas de líderes confederados da Guerra Civil também têm sido desmontadas.

A posição de Jefferson na história dos EUA é complexa. Tendo escrito que “todos os homens são criados iguais” como autor principal da Declaração de Independência, ele também teve mais de 600 escravos e foi pai de ao menos seis filhos com Sally Hemings, uma mulher que escravizou.

Nem todos apoiaram a retirada da estátua. Sean Wilentz, professor de história norte-americana na Universidade Princeton, escreveu em uma carta lida à comissão: “A estátua homenageia Jefferson especificamente por sua maior contribuição à América, de fato, à humanidade”.

(Por Brendan O’Brien em Chicago)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9I171-BASEIMAGE