Notícias

Equipe da ONU e da Etiópia diz que todos os lados cometeram abusos em Tigré

Reuters
Reuters
Equipe da ONU e da Etiópia diz que todos os lados cometeram abusos em Tigré
Alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, em Genebra

3 de novembro de 2021 - 10:18 - Atualizado em 3 de novembro de 2021 - 10:20

Por Stephanie Nebehay e Dawit Endeshaw

GENEBRA/ADIS ABEBA (Reuters) – Todos os lados envolvidos na guerra em Tigré, região do norte da Etiópia, cometeram violações que podem equivaler a crimes de guerra, de acordo com uma investigação conjunta da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Etiópia publicada nesta quarta-feira.

O relatório acusa todos os lados de torturarem e matarem civis, realizar estupros coletivos e fazer prisões com base na etnia.

Ele foi divulgado um dia depois de a Etiópia declarar um estado de emergência. Na segunda-feira, forças de Tigré disseram que podem entrar na capital para depor o governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed.

A investigação foi realizada pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas (Acnur) e pela Comissão Etíope de Direitos Humanos designada pelo governo.

Ela cobriu o período de novembro passado a julho do conflito de um ano, no qual as forças de Tigré se opõem a militares etíopes e seus aliados, forças da região de Amhara e soldados da vizinha Eritreia.

“Temos motivos razoáveis para acreditar que, durante este período, todos os lados do conflito de Tigré cometeram violações de direitos humanos internacionais, humanitárias e da lei de refugiados. Algumas destas podem equivaler a crimes de guerra e crimes contra a humanidade”, disse Michelle Bachelet, a alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas.

O Acnur não determinou a proporção de delitos de cada lado, dizendo que os investigadores não conseguiram elaborar uma lista abrangente.

Bachelet disse que a maioria das violações do período analisado pelo relatório foram cometidas por forças etíopes e eritreias, mas que desde então se viu um aumento de relatos de forças de Tigré, além de abusos constantes de forças etíopes e eritreias.

“As forças eritreias foram as principais responsáveis por violações de direitos humanos”, disse Bachelet.

Não ficou claro se as conclusões do relatório poderiam formar a base de um processo. Etiópia e Eritrea não são membros do Tribunal Penal Internacional (TPI), portanto a corte não tem jurisdição sobre o conflito.

O relatório se baseou em 269 entrevistas, a maioria contendo detalhes explícitos de estupros e mutilações cometidos por soldados da Eritreia em bases militares.

Abiy disse que aceita o relatório, apesar de algumas “reservas sérias”, e que o documento não acusou o governo de genocídio ou de usar alimentos como chantagem. Ele ainda disse que uma força-tarefa civil-militar será criada para investigar todas as alegações no documento.

(Reportagem adicional de Maggie Fick e Katharine Houreld)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHA20PL-BASEIMAGE