Notícias

Enchentes são aterrorizantes, diz Merkel após mortes chegarem a 188 na Europa

Reuters
Reuters
Enchentes são aterrorizantes, diz Merkel após mortes chegarem a 188 na Europa
Merkel visita área atingida por enchentes na Alemanha

18 de julho de 2021 - 15:03 - Atualizado em 18 de julho de 2021 - 15:05

Por Ralph Brock e Romana Fuessel

BERCHTESGADEN/BISCHOFSWIESEN, Alemanha (Reuters) – A chanceler alemã Angela Merkel descreveu neste domingo as enchentes que devastaram partes da Europa como “aterrorizantes”, com o número de mortes atingindo 188 após um distrito da Bavária ter sido atingido pelas condições climáticas extremas. 

Merkel prometeu auxílio financeiro rápido após ter visitado uma das áreas mais afetadas por chuvas e enchentes históricas, que deixaram pelo menos 157 mortes apenas na Alemanha, no pior desastre natural do país em quase seis décadas.  

“É aterrorizante”, ela disse aos moradores da pequena cidade de Adenau, no Estado da Renania Palatinato. “A língua alemã mal pode descrever a devastação que ocorreu.”

O governo alemão vai disponibilizar mais de 300 milhões de euros em auxílio imediato e bilhões de euros para reparar as casas, ruas e pontes danificadas, disse o ministro das Finanças, Olaf Scholz, ao jornal semanal Bild am Sonntag.

A escala das enchentes também pode impactar a eleição alemã em setembro do ano que vem. O prêmie da Renânia do Norte-Vestfália, Armin Laschet, que é candidato do partido CDU para substituir Merkel, se desculpou por ter rido nos bastidores enquanto o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, falava com a imprensa após visitar a cidade de Erftstadt, que foi devastada.

Na Bélgica, que terá um dia nacional de luto na terça-feira, os níveis da água baixaram no domingo e a operação de limpeza dos destroços está em andamento. Militares foram enviados à cidade de Pepinster, onde vários edifícios desabaram, para procurar mais vítimas. Dezenas de milhares de pessoas estão sem eletricidade e as autoridades belgas disseram que o estoque de água potável também é uma grande preocupação.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6H0BN-BASEIMAGE