Notícias

Empresário sequestrado em União da Vitória é resgatado no litoral do Paraná

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

16 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 16 de maio de 2017 - 00:00

Família da vítima identificou saques na conta do empresário efetuados em Paranaguá (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Casal suspeito do sequestro pode estar envolvido no caso de um corpo encontrado sem cabeça e sem coração em Guarapuava

Um empresário de União da Vitória, na região sul do Paraná, sequestrado na última sexta-feira (12), foi resgatado pela Polícia Civil em Pontal do Paraná, no litoral do estado. Um casal de sequestradores já está preso.

Na sexta-feira (12), o empresário saiu de casa para realizar entregas e não retornou. Preocupados, familiares registraram boletim de ocorrência na Subdivisão da Polícia Civil em União da Vitória. Na sequência, foram identificados saques na conta do empresário, realizados na cidade de Paranaguá.

Policiais Civis da cidade de Ipanema se encaminharam até a agência usada para os saques e constataram que as retiradas não foram efetuadas pelo empresário, reforçando a suspeita de sequestro.

O patrulhamento na região foi intensificado até a Polícia Militar localizar e abordar o veículo da vítima, que estava sendo usado por um casal. Na delegacia de Ipanema, os suspeitos confessaram que o carro era roubado, e ambos admitiram que o empresário estava sendo mantido em cárcere privado, enquanto realizavam saques de sua conta bancária. Mas eles, contudo, se recusaram a revelar onde era o cativeiro.

Uma equipe do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), unidade especializada em casos de sequestro, com o apoio das Polícias Civil e Militar de União da Vitória e Pontal do Paraná, descobriu que o cativeiro ficava no balneário de Shangrilá e resgataram a vítima.

“O empresário contou que os sequestradores ficaram assustados com o intenso patrulhamento no local e resolveram soltá-lo e fugir. A vítima foi encontrada às margens da rodovia que corta Shangrilá, um pouco desorientada, mas sem lesões”, explicou o delegado adjunto do Tigre, Cristiano Quintas.

“As investigações continuam no intuito de qualificar e prender os demais integrantes da quadrilha, que provavelmente atuam em Guarapuava e região”, completou Quintas.

De acordo com a Polícia Civil, o casal é suspeito de envolvimento na morte de um  rapaz em Guarapuava, cujo corpo foi encontrado na segunda-feira sem a cabeça e sem o coração.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.