Notícias

Empresário que matou vizinho por causa de som alto irá a júri popular

Douglas Junckes, de 35 anos, morreu dentro do seu próprio apartamento após ser atingido por três disparos de arma de fogo

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Empresário que matou vizinho por causa de som alto irá a júri popular
O empresário matou o vizinho em um apartamento de classe média em Curitiba. (Foto: Reprodução/RICTV)

25 de julho de 2019 - 00:00 - Atualizado em 25 de julho de 2019 - 00:00

O empresário Antônio Humia Dorrio, de 50 anos, que matou o vizinho Douglas Junckes, de 35 anos, por causa de som alto, em maio de 2018, em Curitiba, irá a júri popular, segundo a decisão da Justiça. O acusado responderá por homicídio qualificado por motivo fútil e uso de recurso que impossibilitou a defesa de vítima. 

Relembre o caso de empresário que matou o vizinho por causa de sol alto

O crime ocorreu no final da tarde de 20 de maio, um domingo, em um condomínio de classe média no bairro Juvevê, região nobre da capital paranaense. Na ocasião, o empresário, que vivia no 5º andar, foi armado até o apartamento de Douglas, no 4º andar, para reclamar do som alto. Houve uma discussão, os dois entraram em luta corporal e a vítima acabou atingida por três disparos: dois na cabeça e um no peito. O próprio acusado também foi ferido no braço por um tiro.

Douglas morreu dentro de seu próprio apartamento enquanto o empresário, mesmo com ferimento, dirigiu até o Hospital Cajuru para ser atendido. Ele foi preso em flagrante e encaminhado à delegacia logo após ser medicado. Ainda em junho de 2018, Antônio deixou a prisão.

Para a família da vítima a Justiça é a última esperança. “Nós queremos Justiça. A gente sofre todos os dias. É inesquecível, a saudade então é muito difícil”, disse o pai emocionado.

Em depoimento, Antônio afirmou que matou o vizinho para se defender. “Sem dúvidas, eu jamais queria que isso tivesse acontecido, mas eu tava lutando pra viver”, declarou. 

O que diz a defesa do acusado

O advogado Adriano Brettas, que representa o empresário, defende que o assassinato não ocorreu devido ao som alto, mas porque os dois discutiram e entraram em luta corporal. “Aquela versão simplista que num primeiro foi alardeada, sujeito empresário mata o vizinho por causa de som alto, ao longo do processo isso foi desmistificado, foi descaracterizado. O fato de ter havido o som em volume excessivo foi apenas o estopim deflagrador de uma série de acontecimentos: houve ali uma discussão, essa discussão desencadeou uma luta corporal, eles disputaram a posse da arma de fogo e disparos foram deflagrados. Aliás, o primeiro deles vindo a atingir o meu cliente”, declarou durante participação no programa Balanço Geral Curitiba.  

Antônio Humia Dorrio durante depoimento sobre o crime. (Foto: Reprodução/RICTV)

Ainda conforme Brettas, não é possível afirmar que os disparos foram feitos intencionalmente, pois um perito concluiu que o gatilho da arma era muito sensível. Assim como, o médico legista teria admitido a possibilidade de disparos involuntários. 

A defesa do acusado alega também que o empresário desceu armado até o apartamento do vizinho porque Douglas “promovia balbúrdia” e apresentava, pelas redes sociais, comportamento agressivo. “Várias pessoas deram conta de que a nota distintiva de sua personalidade era ter pavio curto”, disse. 

Brettas afirmou que irá recorrer a decisão da Justiça e tentar evitar que Antônio vá a júri popular.