14 de outubro de 2020 - 16:39

Atualizado em 14 de outubro de 2020 - 16:39

BTG Pactual investe em projeto de segurança hídrica no Paraná

Por Willian Bressan

BTG Pactual investe em projeto de segurança hídrica no Paraná

O BTG Pactual (BPAC11), maior banco de investimentos da América Latina, é o novo parceiro do movimento Viva Água, iniciativa que busca melhorar a qualidade hídrica na Bacia do Rio Miringuava, em São José dos Pinhais, no Paraná, a partir de ações de conservação da natureza e de empreendedorismo sustentável. O modelo tem potencial para ser replicado em outras localidades do País, com ações que contemplam a recuperação da vegetação nas margens dos rios, a capacitação de produtores rurais em modelos de agricultura mais sustentável e o incentivo a atividades como o turismo rural. 

O investimento do BTG Pactual no Viva Água, na ordem de R$ 200 mil, faz parte da iniciativa #NumerosQueImportam e tem como objetivo promover a segurança hídrica por meio de iniciativas como fomento ao empreendedorismo de impacto socioambiental positivo e a criação de instrumentos financeiros inovadores capazes de desenvolver os pequenos negócios e a produção agrícola sustentável. 

“Atualmente, a Bacia do Rio Miringuava é responsável pelo abastecimento de 230 mil pessoas, devendo chegar a 650 mil nos próximos anos. É o tipo de projeto que interessa ao BTG Pactual, pela relevância do tema e pelo alcance das ações, pois estamos contribuindo para que a água fique disponível por mais tempo, mesmo em momentos de estiagem”, afirma o CEO do BTG Pactual, Roberto Sallouti.

O movimento Viva Água foi idealizado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e reúne atores públicos, privados, acadêmicos e da sociedade civil organizada em torno da recuperação e conservação da Bacia do Rio Miringuava, bem como o fomento a negócios de impacto socioambiental positivo na região. A bacia é responsável por abastecer mais de 230 mil habitantes na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Diante da estiagem que afeta hoje diversas localidades no Brasil, reservatórios têm registrado volumes cada vez mais baixos de água. Na Região Metropolitana de Curitiba, por exemplo, os reservatórios estão com 30% da sua capacidade. Nesse contexto, os impactos do desmatamento na Amazônia e os efeitos do aquecimento global têm criado uma situação de insegurança hídrica em várias localidades do País, o que pode se agravar nas próximas décadas. Modelos adaptáveis como o criado pelo movimento Viva Água podem ajudar na redução desses impactos a longo prazo.

“O problema da insegurança hídrica pode ser visto em diferentes regiões do Brasil e vai além dos investimentos públicos no setor de saneamento. A conscientização e o envolvimento de outros setores são essenciais. A conservação e a recuperação dos ambientes naturais, aliados à adoção de boas práticas do uso do solo nas bacias hidrográficas do país, são primordiais para criarmos uma infraestrutura natural capaz de manter nossos rios vivos e gerar oportunidades de negócios que se beneficiam deste ativo”, explica a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes.

Ações conjuntas

Uma das ações do Viva Água é recuperar a vegetação nativa em Áreas de Preservação Permanente em parceria com agricultores da região. Com isso, a vegetação aumenta a resiliência do solo e funciona como uma esponja, que absorve a água da chuva e alimenta os rios gradualmente. Outro aspecto importante é que o solo protegido por vegetação natural ou por boas práticas agrícolas não é levado para os rios, evitando a presença de sedimentos na água e o seu assoreamento. Consequentemente, as estações de tratamento de água gastam menos tempo e recursos para disponibilizar água tratada para o consumo da população.

O cenário atual de estiagem em várias localidades no País mostra a importância de se investir em sistemas de prevenção. Um relatório publicado neste ano pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) projeta que, em 2030, a demanda de água terá aumentado 2.000% em relação aos últimos 100 anos, o que poderia levar milhões de brasileiros ao enfrentamento de severas crises hídricas.

O movimento Viva Água é uma realização da Fundação Grupo Boticário em parceria com ProAdapta, Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), Sebrae Paraná e BTG Pactual. O projeto também conta com apoio da Prefeitura de São José dos Pinhais e SJProspera.

Esta é mais uma ação com geração de impacto socioambiental positivo que conta com apoio do BTG Pactual, a qual se soma aos esforços de combate à Covid-19. Em 1º de abril, o Banco e seus sócios anunciaram a doação de R$ 50 milhões para iniciativas de combate ao vírus. Agora, o valor do investimento social já chega a mais de R$ 60 milhões graças à captação com parceiros. As doações já beneficiaram mais de 2,2 milhões de pessoas em 16 estados do País. Acompanhe as iniciativas por meio da campanha #NumerosQueImportam, disponível aqui.