Notícias

‘Eles se matam entre eles’, diz secretário após morte de 4 presos no AM

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

8 de janeiro de 2017 - 00:00 - Atualizado em 8 de janeiro de 2017 - 00:00

Movimentação de parentes de detentos em frente à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus, onde quatro presos foram encontrados mortos na madrugada deste domingo (8). Foto: Sandro Pereira/ Código 19/ Estadão Conteúdo

Chacina aconteceu neste domingo (8) na cadeia para onde detentos haviam sido transferidos

Quatro detentos foram mortos na madrugada deste domingo (8), na cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus. Três deles foram decapitados. O local abriga os presos que foram transferidos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, o Compaj, por não fazerem parte da facção Família do Norte. As equipes do Instituto Médico Legal e da Polícia Militar estão no local e a Secretaria de Administração Penitenciária faz a contagem dos presos.

Com as novas vítimas, o número de presos mortos no Amazonas por conta dos desdobramentos da guerra entre as facções FDN e Primeiro Comando da Capital (PCC) sobe para 64. Em Boa Vista (RR), na semana passada, houve mais 33 mortos.

A Cadeia Pública de Manaus estava desativada desde outubro do ano passado por conta das péssimas condições de conservação, mas teve de ser reativada para abrigar os presos que corriam risco de morte no Compaj.

O secretário de Administração Penitenciária do Amazonas, Pedro Florêncio, confirmou as mortes e afirmou que não se trata de briga de facção pelo fato de não haver no local presos de grupo diferentes. “Não houve briga de facção porque todo mundo era do mesmo grupo. Todos eram os presos que eram ameaçados, que não tinham convivência, que estavam em áreas de seguro, de isolamento, nos outros presídios. Quando houve aquela rebelião, com as ameaças de matá-los também, nós os trouxemos para cá. Eles se matam entre eles mesmos”, explicou. Para Florêncio, as mortes desta madrugada ainda são “algo incompreensível”.

Leia mais

Cai secretário de Temer que pediu mais chacinas em presídios
Temer se justifica no Twitter após chamar massacre no Amazonas de ‘acidente’

A FDN é apontada pela Polícia Federal como a terceira maior facção do Brasil – atrás apenas do PCC e do CV. A organização criminosa surgiu por volta do ano de 2006 após a união de dois grandes traficantes amazonenses que cumpriam suas penas em presídios federais. Gelson Lima Carnaúba, o G, e José Roberto Fernandes Barbosa, o Pertuba, saíram do sistema prisional federal com destino ao Amazonas “determinados ou orientados”, segundo a PF, a estruturarem uma facção criminosa nos moldes do PCC e CV.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.