Notícias

Elcio Franco nega que compra da CoronaVac tenha sido cancelada após declarações de Bolsonaro

Reuters
Reuters
Elcio Franco nega que compra da CoronaVac tenha sido cancelada após declarações de Bolsonaro
Ex-secretário executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco depõe à CPI da Covid

9 de junho de 2021 - 12:27 - Atualizado em 9 de junho de 2021 - 12:31

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco sustentou nesta quarta-feira em depoimento à CPI da Covid no Senado que não houve cancelamento das tratativas para a aquisição de vacinas CoronaVac após declarações do presidente Jair Bolsonaro dizendo que não as compraria e negou ter recebido qualquer ordem para suspendê-las.

“Essas negociações não foram canceladas”, disse o depoente à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), garantindo que elas “se mantiveram” e que não recebeu ordem para interrompê-las.

Em outubro do ano passado, após reunião com 27 governadores, o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello anunciou a assinatura de protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, que à época passava por testes no Brasil liderados pelo Instituto Butantan, do governo de São Paulo.

No dia seguinte, no entanto, Bolsonaro desautorizou Pazuello e afirmou, em publicação no Facebook, que a vacina não seria comprada, em resposta a apoiador que criticava a origem chinesa da vacina. Em outra publicação na rede social, o presidente apontou que ela ainda não contava com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e disse que “o povo brasileiro não será cobaia de ninguém”.

Horas depois, no Ministério da Saúde, o então secretário-executivo, Elcio Franco, leu comunicado que contrariava anúncio da véspera e dizia que “não houve qualquer compromisso com o governo do Estado de São Paulo ou seu governador, no sentido de aquisição de vacinas contra Covid-19”. Franco afirmou ainda na ocasião que não há qualquer intenção de comprar vacinas oriundas da China.

Agora, à CPI Elcio Franco disse que a carta de intenções anunciada por Pazuello continuou vigente e destacou não haver qualquer documento que registre a intenção de não prosseguir com as negociações.

“A carta de intenção de outubro continuou vigente”, garantiu.

Em depoimento à CPI, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas afirmou que as negociações ficaram paralisadas após a intervenção do presidente da República e avaliou que o atraso na negociação em um contexto mundial de forte demanda e oferta limitada, acabou por resultar em um cronograma de entrega de doses diferente do originalmente sugerido na proposta inicial.

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), Franco disse nesta quarta que a demora na assinatura da compra de vacinas da CoronaVac, o que só ocorreu em janeiro, deveu-se a entraves legais.

Explicou, também, que no decorrer das negociações, nos meses anteriores, a vacina ainda passava pela fase 3 dos estudos clínicos, que poderiam mostrá-la ineficaz. Também afirmou que não havia “aderência legal” para a encomenda tecnológica para a produção do imunizante.

Sobre a Astrazeneca, também em fase 3, à época, Franco explicou que apesar do risco de insucesso da vacina, ela era uma das mais avançadas e oferecia condições de encomenda tecnológica.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH580YT-BASEIMAGE