Segurança

“Ela estava respirando ainda” relata autor de homicídio contra mulher em Jesuítas, no Oeste do PR

Crime foi gravado por uma câmera de segurança instalada na casa do agente temporário do sistema prisional

Aline
Aline Cristina / Repórter
“Ela estava respirando ainda” relata autor de homicídio contra mulher em Jesuítas, no Oeste do PR
(Foto: reprodução câmera de segurança)

13 de setembro de 2021 - 11:36 - Atualizado em 14 de setembro de 2021 - 13:04

A câmera de segurança instalada na casa de um agente temporário do sistema prisional de Quedas do Iguaçu, registrou o crime que aconteceu na noite de sexta-feira (11), na cidade de Jesuítas, município que fica na região Oeste do Paraná.

Nas imagens é possível ver a movimentação do agente e de uma mulher que, até o momento, não foi identificada oficialmente por documentos.

Eles discutem e a todo tempo, o homem mantém a arma empunhada, mirando para vítima. A mulher segura na mão o que aparenta ser uma arma, mas sem o manuseio correto. Pouco tempo depois, ela saiu do imóvel e aparece na porta com uma faca na mão, a câmera registra a discussão, e pouco tempo depois,  homem empurra a mulher e dispara contra seu peito.

Após o crime, o homem procurou a Polícia Militar e relatou que havia atirado contra a mulher.

“ Ele relatou que teria efetuado um disparo de arma de fogo em sua residência, segundo ele, quando saiu de casa, a mulher estava respirando ainda. A equipe policial foi até o local e acionou o Samu, no entanto, quando a equipe chegou a mulher já estava sem vida.”

Marcelo Grando Soldado – PM

O agente informou ainda aos policiais que o primeiro nome da mulher é Sandra e ela tem 27 anos. Segundo ele, a vítima estava em sua casa há uma semana.

O Delegado da Polícia Civil responsável pelo caso, Ary Nunes, a situação causa estranheza, diante das informações que foram apuradas.

“Ele comprou uma arma, no dia anterior, e relatou que havia encontrado a mulher na estrada e teria levado ela pra casa, me pareceu que ele premeditou esse crime.”

Ary Nunes – Delegado de Polícia Civil

O delegado afirma que o caso será investigado a fundo, e que durante o procedimento será confirmado se a mulher é andarilha, ou tinha algum relacionamento amoroso com o atirador. 

“ Ele se apresentou como uma pessoa calma, tanto que após o crime ele andou da casa dele até o destacamento da Polícia Militar, para relatar que havia cometido o crime.”

Ary Nunes – Delegado de Polícia Civil

No local, a polícia encontrou a arma do crime,  projétil que foi disparado contra a mulher. Ele está detido e aguarda o decorrer da investigação. 

Nossa equipe entrou em contato com o DEPEN (Departamento Penitenciário do Paraná), que por meio de nota, apenas informou que a Corregedoria do Depen acompanha o caso.