Educação

Secretário prevê protocolo rigoroso para volta às aulas: “Escolas vão virar praticamente hospitais”

Profissionais e alunos do grupo de risco não devem voltar no primeiro momento

Guilherme
Guilherme Becker / Editor com informações da rádio Jovem Pan
Secretário prevê protocolo rigoroso para volta às aulas: “Escolas vão virar praticamente hospitais”
Feder comentou sobre o protocolo rigoroso para a volta às aulas no Paraná (FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

17 de setembro de 2020 - 11:18 - Atualizado em 17 de setembro de 2020 - 11:18

Em entrevista ao Grupo RIC, na manhã desta quinta-feira (17), o secretário de Educação do Paraná Renato Feder comentou sobre os protocolos para volta às aulas. Segundo o representante do governo, a liberação só irá acontecer quando houver uma queda significativa nos casos e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) autorizar.

“No Paraná nós estamos preparando um protocolo muito rigoroso de saúde para ter uma volta às aulas segura. As famílias podem decidir se enviam seus alunos ou não, então aqueles que não vão às aulas físicas, continuam nas aulas remotas. E aquelas famílias que quiserem e entenderem que é seguro mandar os filhos, eles serão muito bem recebidos nas escolas”, destacou Feder.

O secretário ainda reforçou que os profissionais que pertencem ao grupo de risco não voltarão ao trabalho nas instituições neste primeiro momento. Os alunos que tiverem alguma doença também receberam orientações para continuarem estudando por meio do sistema virtual.

Protocolo de retorno às aulas

A data para a volta às aulas ainda não foi definida no Paraná, entretanto, a Secretaria de Estado da Educação (SEED) já estuda um protocolo para o retorno. Segundo Feder, as medidas de segurança estão sendo preparadas com base no que já está sendo aplicado na Europa.

“O protocolo é muito rígido, seguindo o padrão europeu. Um metro e meio de distanciamento, muito álcool em gel, muita máscara, luvas, avental para os colaboradores, realmente as escolas vão virar praticamente hospitais no rigor do dia a dia”, comentou o secretário.

Confira a entrevista completa: