Crítica

Crítica: Um Lugar Silencioso 2

Filme tem atmosfera sufocante e tensão crescente

Thiago
Thiago Barros / Editor-Chefe TOMMO
Crítica: Um Lugar Silencioso 2
Paramount/Divulgação

21 de julho de 2021 - 18:17 - Atualizado em 21 de julho de 2021 - 18:18

Em Um Lugar Silencioso – Parte II, logo após os acontecimentos do primeiro filme, a família Abbott (Emily BluntMillicent Simmonds e Noah Jupe) precisa agora encarar o mundo fora da fazenda, lutando para sobreviver em silêncio. Obrigados a se aventurar pelo desconhecido, a família percebe que as criaturas que caçam pelo som não são as únicas ameaças.

Em Um Lugar Silencioso – Parte II, o roteirista e diretor John Krasinski começa explicando a origem dos monstros e como eles foram desenvolvidos ao retroceder a narrativa para o primeiro dia da invasão alienígena. Após o epílogo com muita ação e tensão, a história volta a acompanhar a família Abbott nos dias atuais, após os acontecimentos em Um Lugar Silencioso (2018). Vemos Evelyn (Emily Blunt) e seus filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe) muito mais agéis para lidar com as adversidades, e agora sem Lee (John Krasinski) e Beau (Dean Woodward), mortos, e precisando cuidar do bebê. 

O enredo segue uma continuação natural sem fugir muito da sobrevivência pós-apocalíptica que vimos anteriormente, até o surgimento do personagem Emmett (Cillian Murphy). O longa passa a ser dividido em dois segmentos: com a dupla Emmett e Regan em busca de uma possível salvação – lidando não somente com os alienígenas, mas também com humanos – e Evelyn com seu filho Marcus precisando cuidar do bebê em confinados em uma fábrica.

A sequência mostra a evolução do diretor Krasinski, com mais confiança e apostando ainda mais nos elementos de terror. Vemos agora, alienígenas mais imponentes e ameaçadores, lembrando a claustrofobia de Alien, o 8º Passageiro (1979).

Um dos elementos que mais chama a atenção em Um Lugar Silencioso, é o trabalho brilhante da edição de som, que utiliza o silêncio como aspecto de criação constante de tensão, fazendo com que qualquer barulho seja muito assustador. A continuação trás a mesma excelência, e faz conversão constante de perspectiva para o ponto de vista de Regan, personagem com deficiência auditiva, trazendo inquietude e medo no público. Vale lembrar que a atriz Millicent Simmonds é portadora de deficiência auditiva na vida real. É o tipo de experiência ideal para se ter na melhor sala de cinema disponível – assisti no Imax.

Um dos destaque da produção é o elenco, que desenvolve de forma convincente seus personagens. O trabalho de Emily Blunt é impressionante, conseguindo passar para o público todas as nuances do desespero de uma mãe protegendo seus filhos até a calmaria necessária para realizar movimentos calculados que não coloquem em risco a vida deles. Como o desenrolar da história, Cillian Murphy de Peaky Blinders, sofre grande mudança, passando de não se importar com os outros até recuperar sua empatia, a grande responsável por essa mudança é a jovem Regan, que ganhou mais protagonismo, entregando uma personagem corajosa e destemida em busca de salvação, mostrando que a narrativa é principalmente sobre família.

A produção finaliza com Emmett e Regan encontrando uma solução para lidar com as ameaças. Deixando em aberto para o spin-off da franquia Um Lugar Silencioso que vai ser lançado em 2023, dirigido por Jeff Nichols, de O Abrigo (2011) e Amor Bandido (2012).

O roteiro de Um Lugar Silencioso – Parte II não é tão original quanto o do primeiro filme mas se destaca em sua execução primorosa e eficaz, prendendo o público com sua atmosfera sufocante e tensão crescente. O longa mostra a importância da família, e nos faz preocupar mais uma vez com a família Abbott.

Um Lugar Silencioso – Parte II estreia dia 22 de julho nos cinemas.

Leia também...

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.