Economia

Zona do euro entra em segunda recessão no 1° tri, mas há recuperação à frente

Reuters
Reuters
Zona do euro entra em segunda recessão no 1° tri, mas há recuperação à frente
Lockdown nas ruas de Hamburgo, Alemanha

30 de abril de 2021 - 07:38 - Atualizado em 30 de abril de 2021 - 07:40

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) – A economia da zona do euro mergulhou em uma segunda recessão técnica após contração menor do que o esperado no primeiro trimestre, mas economistas dizem que ela agora está firmemente estabelecida num caminho de recuperação, uma vez que as restrições relacionadas à pandemia foram suspensas em meio a campanhas de vacinação.

O escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, disse que o Produto Interno Bruto dos 19 países que compartilham o euro recuou 0,6% no comparativo trimestral, uma queda de 1,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Isso deixa a zona da moeda única em sua segunda recessão técnica em 12 meses, após uma queda de 0,7% do PIB trimestral no último trimestre de 2020. Economistas consultados pela Reuters esperavam uma queda trimestral de 0,8% e uma perda anual de 2,0%.

“Um pouco melhor do que o esperado, mas ainda assim uma recessão técnica … com o PIB caindo novamente no 1° tri”, disse Bert Colijn, economista sênior para a zona do euro do banco ING.

“A resiliência implícita mostra que a economia está pronta para seu (um pouco atrasado) início da recuperação da pandemia, o que significa que o quadro de uma economia sem brilho na zona do euro deve mudar rapidamente”, disse ele.

A contração da zona do euro no primeiro trimestre foi causada principalmente por uma queda trimestral de 1,7% em sua maior economia, a Alemanha, embora tenha sido compensada pelo crescimento trimestral de 0,4% na segunda maior, a França.

“A recessão é coisa do passado. Com vacinações progressivas e uma propagação sazonalmente mais lenta do coronavírus, os números de infecção devem continuar a cair nas próximas semanas”, disse Christoph Weil, economista sênior do Commerzbank.

Separadamente, o Eurostat estima que os preços ao consumidor da zona do euro subiram 0,6% no comparativo mensal em abril, um ganho anual de 1,6%, conforme esperado por economistas consultados pela Reuters.

O Eurostat também disse que o desemprego na zona do euro caiu em março para 8,1% da força de trabalho, ou 13,166 milhões de pessoas, ante 8,2% revisados para baixo em fevereiro, 13,375 milhões de pessoas, contrariando expectativas de um aumento para 8,3%.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3T0KP-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.