Economia

Vendas no varejo dos EUA sobem inesperadamente em junho

Reuters
Reuters
Vendas no varejo dos EUA sobem inesperadamente em junho
Loja da Macy's em Nova York

16 de julho de 2021 - 10:13 - Atualizado em 16 de julho de 2021 - 10:15

WASHINGTON (Reuters) – As vendas no varejo dos Estados Unidos subiram inesperadamente em junho, uma vez que a demanda por bens permaneceu forte, mesmo com os gastos voltando para o setor de serviços, o que aumenta as expectativas de uma aceleração do crescimento econômico no segundo trimestre.

As vendas no varejo subiram 0,6% no mês passado, informou o Departamento do Comércio nesta sexta-feira. Os dados de maio foram revisados para baixo para mostrar que as vendas caíram 1,7%, em vez de queda de 1,3% conforme publicado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters esperavam uma queda de 0,4% nas vendas no varejo. Mas a escassez de veículos devido a um aperto mundial na oferta de semicondutores, que vem desacelerando a produção, está prejudicando as vendas de automóveis.

A venda de alguns eletrodomésticos também foi impactada pela escassez de chips.

“Acreditamos que as questões de fornecimento e a redução dos estoques de automóveis continuarão limitando as vendas de automóveis nos próximos meses”, disse Veronica Clark, economista do Citigroup em Nova York.

A demanda mudou para bens como eletrônicos e veículos durante a pandemia, à medida que milhões de pessoas trabalhavam de casa, estudavam online e evitavam o transporte público.

Com pelo menos 160 milhões de norte-americanos totalmente vacinados contra Covid-19, os gastos agora estão voltando para serviços como viagens e entretenimento. As vendas no varejo são principalmente de bens. Serviços como saúde, educação, viagens e hospedagem em hotéis são responsáveis pela parcela restante dos gastos do consumidor.

Restaurantes e bares são as únicas categorias de serviços incluídas no relatório de vendas no varejo.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentícios, as vendas no varejo aumentaram 1,1% no mês passado, após queda revisada para baixo de 1,4% em maio. O chamado núcleo das vendas corresponde mais de perto ao componente dos gastos dos consumidores no Produto Interno Bruto (PIB). Anteriormente, estimava-se uma queda de 0,7% em maio.

As estimativas de crescimento do PIB para este trimestre giram em torno de 9%, o que seria uma aceleração em relação ao ritmo de 6,4% registrado no primeiro trimestre. Economistas acreditam que a economia poderá atingir um crescimento de pelo menos 7% neste ano. Esse seria o crescimento mais rápido desde 1984. Em 2020, a economia contraiu 3,5%, seu pior desempenho em 74 anos.

(Por Lucia Mutikani)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6F0M1-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.