Economia

Vendas em lojas de shoppings do Iguatemi caem 14,4% no 4º tri; vacância sobe

Reuters
Reuters
Vendas em lojas de shoppings do Iguatemi caem 14,4% no 4º tri; vacância sobe
.

22 de janeiro de 2021 - 20:03 - Atualizado em 22 de janeiro de 2021 - 20:05

(Reuters) – O Iguatemi informou nesta sexta-feira que as vendas em lojas de seus shopping centers somaram 3,6 bilhões de reais no quarto trimestre, uma queda de 14,4% ante mesma etapa de 2019, ainda refletindo os efeitos da pandemia da Covid-19.

Segundo a companhia, no conceito mesmas lojas as vendas recuaram 11,8% nos mesmos períodos de comparação.

Segundo a administradora, ainda há operações com restrições de 30% a 60% em suas capacidades de funcionamento, como os segmentos de alimentação, entretenimento e serviços.

Ainda assim, com a melhora gradual das vendas, diante da flexibilização das medidas de isolamento social, o Iguatemi disse que seguiu retirando descontos, chegando a uma cobrança líquida de 97,6% no quarto trimestre ante 66,5% no período de julho a setembro.

E o índice de inadimplência caiu de 13,4% no terceiro trimestre para 9,3% no último quarto do ano.

Porém, o nível de vacância dos shoppings da rede seguiu crescendo, atingindo 9% no quarto trimestre, após índices de 8,4%, 7,5% e 6,8% no terceiro, segundo e primeiro trimestres, respectivamente.

“Em decorrência da tendência de melhora vista nos últimos trimestres e na expectiva que ela continuará ao longo dos próximos meses (…), tivemos um aumento de interesse por locação de nossos espaços”, afirmou o Iguatemi adiantando que para 2021 já tem o equivalente a 2,1% de sua ABL total em contratos assinados e 0,6% em contratos no processo final, com inaugurações previstas para este primeiro semestre de 2021.

Os números são divulgados, porém, em meio a uma série de medidas de aperto do isolamento social e restrição ao comércio, diante do recrudescimento da pandemia no Brasil.

Nesta sexta-feira, o governo de São Paulo adotou o Estado na fase vermelha, com bares, restaurantes, comércios não essenciais e shoppings sendo proibidos de funcionar entre 20h e 6h nos dias úteis e também aos finais de semana e feriados.

(Reportagem de Aluísio Alves)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0L1LA-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.