Economia

Tesouro cobra R$1,5 bi do governo do Rio e leilão da Cedae volta a ficar ameaçado

Reuters
Reuters

23 de dezembro de 2020 - 11:50 - Atualizado em 23 de dezembro de 2020 - 11:50

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O Tesouro Nacional decidiu cobrar nesta semana do governo do Rio de Janeiro o pagamento de um passivo de cerca de 1,5 bilhão de reais em uma ação que pode voltar a adiar o leilão de áreas da estatal de saneamento Cedae, dada como garantia por ocasião da adesão do Estado ao regime de recuperação fiscal iniciado em 2017.

O Tesouro enviou a conta para o governo fluminense na segunda-feira, depois de entendimento de que o regime de recuperação fiscal (RRF) do Estado foi encerrado no início de setembro. “Foi enviado um ofício de cobrança ao Rio porque o RRF foi considerado extinto e por força contratual, temos que executar”, afirmou o Tesouro em comunicado enviado à Reuters.

O governo do Rio pretendia usar os recursos da concessão de áreas da Cedae para pagar uma dívida junto ao banco francês BNP Paribas contraída em 2017 e que já alcança quase 4,5 bilhões de reais.

“Com menos 1,5 bilhão de reais, a renegociação fica comprometida…O Estado estava negociando com o BNP para concluir a concessão (da Cedae)”, afirmou uma fonte do governo fluminense próxima da situação.

Para o governo do Rio, o RRF vencido em setembro deveria ter sido automaticamente renovado por mais três anos, o que permitiria dar continuidade ao andamento do processo de leilão dos ativos da Cedae. A posição teria respaldo em um parecer do Tribunal de Contas da União (TCU), segundo o governo estadual.

A concessão de áreas da empresa é o maior ativo na carteira de desinvestimentos de saneamento organizada pelo BNDES e já passou por inúmeros adiamentos, apesar da aprovação em meados do ano do marco legal que facilitou a entrada de capital privado no setor.

“O Tesouro está influenciando no lançamento do edital (de concessão da Cedae) com interpretações contrárias a decisões do TCU”, disse outra fonte do governo do Rio de Janeiro próxima do processo. “Não queremos deixar de pagar.”

Diante do impasse, o governo estadual pretende ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a interpretação do TCU à renovação automática do RRF seja mantida de pé. “Vamos judicializar no STF porque estamos juridicamente bem embasados”, disse a fonte.

Segundo as fontes, sem resolver a disputa, o edital de concessão de duas das quatro áreas da Cedae irá atrasar e ficará sujeita a novas negociações com os governos municipais que tomam posse em janeiro. A outorga mínima foi fixada no plano do BNDES em 10,6 bilhões de reais e a concessão de 35 anos das áreas de distribuição de água e coleta e tratamento de esgoto prevê investimentos de mais de 30 bilhões.

A expectativa do banco era que o leilão ocorresse já neste ano, mas agora nem mesmo a perspectiva de ocorrer no início de 2021 está garantida.

O conselho de administração da Cedae tinha dado na quarta-feira passada aval para a concessão. O secretário estadual da Casa Civil, Nicola Miccione, chegou a afirmar que a expectativa era que o leilão poderia ocorrer em abril.

(Com reportagem adicional de Marcela Ayres, em Brasília)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.