Economia

Sabesp vai participar de novos leilões de saneamento no Brasil

Reuters
Reuters
Sabesp vai participar de novos leilões de saneamento no Brasil
(Blank Headline Received)

17 de novembro de 2020 - 13:46 - Atualizado em 17 de novembro de 2020 - 13:50

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) – A companhia de água e saneamento do Estado de São Paulo, Sabesp, está preparada e vai participar de novos leilões no setor fora do Estado, depois de ficar em setembro em segundo lugar no primeiro certame após a revisão do marco legal no país.

“Vamos participar de futuros leilões com certeza”, disse o presidente da Sabesp, Benedito Braga Junior, em teleconferência com analistas e jornalistas nesta terça-feira sobre os resultados da empresa no terceiro trimestre.

Questionado por analista se não via problema da Sabesp não ter universalizado ainda os serviços de saneamento e água nos municípios onde atua em São Paulo e já disputar ativos em outros Estados, Braga afirmou que “não tem conflito nenhum ir para licitação fora do Estado e universalizar em São Paulo, não vejo problema nenhum”.

A companhia terminou o terceiro trimestre com lucro líquido de 421,6 milhões de reais, queda de 65% sobre o mesmo período do ano passado, influenciada em parte por uma forte base de comparação com 2019.

A empresa participou no final de setembro do emblemático leilão de ativos da empresa alagoana de água e esgoto Casal. A participação foi em parceria com a Iguá Saneamneto e o consórcio apresentou o segundo maior lance da disputa, de outorga de cerca de 1,5 bilhão de reais. O valor ficou atrás dos 2 bilhões oferecidos pela BRK Ambiental, vencedora do leilão.

“A Sabesp está pronta para participar de concorrências pelo Brasil afora sempre que julgar oportuno”, disse o diretor financeiro, Rui Affonso, durante a teleconferência.

Uma das próximas oportunidades para a Sabesp é o leilão de áreas da fluminense Cedae, processo que foi retomado nesta semana e que pode ter o certame até o fim do primeiro trimestre do próximo ano.

Segundo Braga, a Cedae é um desafio “bastante importante. É uma opção de grande porte que vamos ter que nos debruçar para verificarmos a conveniência ou não… não temos ainda posição firmada sobre a Cedae. Podemos participar ou não”, disse o executivo.

Do ponto de vista de dívida, Affonso afirmou que a Sabesp está “absolutamente disciplinada” e que “está longe de ter qualquer problema de endividamento”.

A empresa deve sacar até o final do ano toda a linha de crédito sem garantia de 950 milhões de reais disponibilizada em duas tranches pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), disse o superintendente de captação e relações com investidores, Mário Sampaio, durante a teleconferência.

Cerca de metade dos recursos do BID serão usados para refinanciamento da empresa e o restante vai para projetos de usinas de energia solar e de despoluição do rio Pinheiros, uma meta lançada pelo governador paulista João Doria (PSDB) para ser cumprida até 2022.

Segundo Braga, a Sabesp tem trabalhado há seis meses na despoluição do rio e já conseguiu conectar à rede coletora e de tratamento 15% dos cerca de meio milhão de imóveis geradores de esgoto descarregado atualmente no rio.

“Estamos dentro do prazo. A diferença (na qualidade da água do Pinheiros) só vai poder ser vista em 2022. Não dá para ter resultado antes disso”, disse o presidente da Sabesp.

Enquanto a empresa faz os investimentos em água e saneamento e avalia participar de leilões fora de São Paulo, a política de pagamento de dividendo mínimo obrigatório de 25% será mantida, disse o presidente da Sabesp ao ser perguntado se a companhia poderia elevar o percentual. “Não pretendemos mudar a política de 25% enquanto não estiver todo o nosso sistema de municípios universalizado com 100% de água, 100% de coleta e 100% de tratamento de esgoto”, afirmou.

Durante a apresentação dos resultados, Affonso afirmou que a região metropolitana de São Paulo tem recebido menos chuva que a média histórica, mas que o conjunto de reservatórios “apresenta situação controlada até o momento”.

No ano hidrológico, que vai de outubro a setembro, o sistema Cantareira, um dos principais que abastecem a região metropolitana, recebeu 74% da média histórica de chuvas. Em outubro apenas, as chuvas no sistema ficaram em 57% da média.

No final de outubro, o volume dos mananciais da região metropolitana de São Paulo estava em 45,7% da capacidade ante 58,9% no mesmo período de 2019.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAG1CL-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.