Economia

Renda mínima só com mais imposto, diz Mansueto

Estadão
Estadão Conteúdo

30 de junho de 2020 - 07:01 - Atualizado em 30 de junho de 2020 - 07:01

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse ontem que a prorrogação do auxílio emergencial terá um custo extra de pelo menos R$ 100 bilhões. O secretário, que deixará o cargo no próximo mês, afirmou ainda que a criação de novos programas sociais (como renda mínima) poderá exigir aumento de impostos no futuro.

Mansueto confirmou que o governo avalia o pagamento de mais duas parcelas de R$ 600 ou o pagamento de mais parcelas, com redução escalonada de valor – como anunciado semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em ambas os casos, o custo seria o mesmo, levando a projeção de déficit nas contas públicas deste ano para mais de R$ 800 bilhões. “A renovação de auxílio emergencial pode levar o déficit primário a 11,5% do Produto Interno Bruto (PIB), com um déficit nominal de 15% do PIB, no nível dos Estados Unidos”, disse ele.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.