Economia

Privatização dos Correios deve ocorrer em 2022, estima BNDES

Reuters
Reuters
Privatização dos Correios deve ocorrer em 2022, estima BNDES
Unisdade dos Correios no Rio de Janeiro (RJ)

28 de abril de 2021 - 15:39 - Atualizado em 28 de abril de 2021 - 15:40

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A privatização dos Correios só deve acontecer em 2022, disse nesta quarta-feira o diretor do BNDES Leonardo Cabral, que estima que ao menos 70% do capital da empresa seja oferecido à iniciativa privada.

A ideia é que a União fique apenas com uma fatia minoritária da empresa para não atrapalhar o certame e a operação da companhia.

“O que desejamos é uma venda significativa do controle da União, não vender 51% e manter participação relevante. Entendemos que isso poderia afastar interessados”, disse Cabral durante evento do jornal Valor Econômico.

A operação ainda depende de decisões de outros órgãos. “Desenhamos uma operação em que a União perde o controle da companhia e uma venda substancial, acima de 70%, ocorre a terceiros”, adicionou.

A venda do controle dos Correios foi incluída no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e a privatização ainda precisa de aval do Congresso, onde o negócio caminha em regime de urgência.

“Isso nos dá o conforto que até o meio do ano o projeto vai estar deliberado pela Câmara e a gente assim consegue dar sequência ao processo. Já aprovamos com consultores a modelagem inicial e já está no detalhamento”, afirmou.

“Em agosto ou setembro a gente vai estar com uma transação pronta para ser deliberada pelo conselho de ministros e para análise do Tribunal de Contas da União (TCU) que deve terminar no fim de 2021”, disse o diretor.

Segundo Cabral, após a aprovação do TCU, o edital do leilão será publicado e se houver resposta do mercado em 30 a 60 dias, “em janeiro ou fevereiro (2022) a gente consegue executar essa transação”. Ele não estimou o potencial valor de mercado dos Correios.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3R19N-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.