Economia

Preço da cesta básica dispara e salário mínimo não tem reajustes

De acordo com pesquisas da DIEESE, com o custo atual da cesta básica, o brasileiro deveria receber um salário mínimo de R$ 5.495,52

Carol
Carol Machado / Estagiária da equipe de estágio sob supervisão de Guilherme Barchik
Preço da cesta básica dispara e salário mínimo não tem reajustes
Foto: Tânia Rêgo/ Agência Brasil

17 de fevereiro de 2021 - 08:48 - Atualizado em 17 de fevereiro de 2021 - 08:48

O custo da alimentação subiu mais do que a inflação nos últimos meses. Os alimentos da cesta básica foram os que mais sofreram reajustes.

O preço do famoso prato feito, subiu 43,4% no ano passado. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados, o arroz teve aumento de 87,3%, o feijão subiu 34,4%, a batata 71,5%, o tomate, o preço da carne subiu de 12 à 28% dependendo do corte, já o frango teve aumento de 15,9%.

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), em janeiro deste ano, a cesta básica em Curitiba estava custando R$559,73 sendo a décima capital com o preço mais caro. Atualmente a cesta básica mais cara do Brasil é a de São Paulo, custando R$654,15.

De acordo com pesquisas da DIEESE, com o custo atual da cesta básica, o brasileiro deveria receber um salário mínimo de R$ 5.495,52, mas atualmente recebe em média R$ 1.100,00.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.