Economia

PPSA pode voltar a ofertar óleo da União neste ano após licitação ‘deserta’

Reuters
Reuters
PPSA pode voltar a ofertar óleo da União neste ano após licitação ‘deserta’
Produção de petróleo no campo de Tupi, litoral do Rio de Janeiro

28 de abril de 2021 - 15:17 - Atualizado em 28 de abril de 2021 - 15:20

Por Marta Nogueira e Roberto Samora

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) – A estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA) poderá voltar a ofertar óleo da União ao mercado ainda neste ano, por meio de processo competitivo, disse à Reuters um diretor da companhia, após uma licitação para contratar um agente comercializador ter falhado em atrair investidores nesta quarta-feira.

A companhia, responsável por representar a União nos contratos de partilha de produção no pré-sal, tem como uma das missões vender a parcela de petróleo que pertence à nação. A estatal pode comercializar diretamente, preferencialmente por leilão, ou por meio da contratação de um agente comercializador.

A concorrência internacional realizada virtualmente nesta quarta-feira buscava a contratação de um agente para comercializar volumes de petróleo da União produzidos no campo de Tupi (ex-Lula), no pré-sal da Bacia de Santos, um dos mais produtores do mundo em águas ultraprofundas.

O contrato seria de cinco anos, período em que deveriam ser comercializados 4 milhões de barris de petróleo a um valor estimado de 218 milhões de dólares.

“Essa licitação foi pioneira… Nós sabíamos que o pioneirismo poderia levar a pouco interesse”, disse à Reuters o diretor de Administração, Finanças e Comercialização da PPSA, Samir Passos Awad.

De 10 empresas convidadas para participar, Equinor, Petrobras e Total foram habilitadas, mas não apresentaram propostas e a concorrência foi declarada “deserta”.

“A gente planeja voltar ao mercado com outra modalidade ainda neste ano, um leilão na B3 é uma das alternativas.”

No passado, a PPSA chegou a vender volumes de petróleo em leilão na bolsa paulista B3. Outras alternativas, como venda direta, podem ser consideradas, mas sempre por meio de competição, disse o diretor.

Além de Tupi, a PPSA poderá ter petróleo de outros campos para comercializar, como de Mero e Sapinhoá, disse o diretor.

Em um primeiro momento, a PPSA não deverá retomar a ideia de realizar uma licitação para contratar um agente comercializador, explicou Awad, pontuando que “o mercado não recebeu bem esse modelo”.

Segundo o executivo, ainda é cedo para dizer o que pode ter dado errado na licitação realizada nesta quarta-feira, mas que o resultado será analisado para que possam ser empenhados ajustes futuramente.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3R18T-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.